O que visitar na ilha Fraser na Austrália?

Quando viajamos, há sempre alguns locais que nos ficam na memória seja pelos bons momentos, pelas paisagens ou só pela experiência em si. A minha experiência na ilha Fraser foi uma combinação de tudo o que são boas memórias. Foram três dias numa ilha bastante especial na costa Este da Austrália. Um dos locais mais únicos da Austrália, e como tal bastante turístico.

O que é que a ilha Fraser tem de especial?

Além de ser naturalmente deslumbrante, esta ilha tem várias coisas de único no mundo. Além de ser uma ilha que tem 120 km de comprimento, é a maior ilha de areia do mundo! Sim, areia!  E com isto, não será de surpreender os mais de 250 km de praias quase ininterruptas. Para dentro da ilha, encontra-se uma floresta tropical em dunas de areia, e mais de metade dos lagos de água doce em dunas de areia.

Ferry a chegar à ilha Fraser

As dunas da ilha Fraser têm sido palco de estudo por cientistas por vários anos, estas dunas têm sobrevivido alterações climáticas e dos níveis do mar por 700 mil anos! E é o único local no mundo onde a floresta tropical cresce em dunas de areia acima dos 200 metros do nível do mar. De realçar que nesta ilha as árvores apenas conseguem encontrar nutrientes na areia e na chuva, em condições de muitos poucos nutrientes. Isto é uma das coisas que faz a ilha de Fraser tão especial.

Os lagos em Fraser são outra parte muito importante e especiais. São lagos formados por várias camadas de folhas, casca de árvore, e areia que com o passar dos séculos (milénios?) vão criando uma crosta impenetrável e que retém a água da chuva. Estes lagos são de água doce e só em Fraser existem cerca de 40 lagos com esta característica especial, o que perfaz mais de metade destes lagos no mundo!

Locais a visitar na ilha Fraser

Quando pensei em visitar a ilha Fraser nem sequer sabia o que me esperava, fui por sugestão da agente de turismo em Melbourne, e inicialmente só tinha marcada uma excursão para passar lá uma noite. Na véspera mudei de ideias, e acabei alterar os meus planos para ficar duas noites, e sinceramente foi das melhores decisões que fiz na Austrália!

Mesmo duas noites na ilha Fraser não acho que seja o suficiente, deu para conhecermos os locais mais recomendados em todos os guias, e que vou recomendar abaixo também, mas não deu para explorar mais e sair um pouco das rotas habituais. Se tiverem a oportunidade, tentem ficar pelo menos três noites.

Lago McKenzie

O lago McKenzie é o lago mais famoso da ilha Fraser, e uma das características que o fazem tão famoso são as suas águas cristalinas que nos dão a sensação de estar a flutuar.

Como referi acima, os lagos da ilha de Fraser partilha de uma característica especial, que é estarem bem acima da linha de água doce. Isto é, a água destes lagos é água da chuva! Infelizmente, o nível de acidez (natural) da água destes lagos é tal forma elevado que não é adequado para nenhum tipo de vida, sejam peixes ou plantas. No entanto, a falta de criação de lixo natural (peixes mortos, fezes, plantas podres e afins) faz com que o lago seja ainda mais cristalino. Perde-se numas coisas, ganha-se noutras…

Outra característica deste lago está nas suas margens, a areia da praia é silica pura, daí as praias tão brancas. Não, não são fotos editadas, é mesmo assim! Em areias de silica tão pura o calor não é absorvido, o que é excelente para quem gosta de andar descalço na areia sem se queimar! E quem não gosta de sentir a areia a passar por entre os dedos?

Infelizmente tanta beleza também tem as suas desvantagens, o turismo tem aumentado imenso, e cada vez há mais gente que visita este lago. À falta de lixo natural, que mantém a pureza da água, os turistas têm introduzido outro tipo de lixo, como o uso de protector solar que poderá vir a comprometer a beleza e qualidade do lago.

Com cerca de 1,2km de comprimento, e 5 de profundidade, nadar no lago McKenzie é quase como nadar numa piscina gigante de uma beleza incrível. Uma oportunidade a não perder!

Eli Creek

Eli Creek é o maior riacho de água doce da costa este da ilha Fraser e um local bastante popular para visitar, fica na praia 75-mile beach, bem perto de outro local bem visitado, os destroços do navio SS Maheno.

A minha visita foi planeada, mas inesperada para mim. Simplesmente não sabia para o que ia, deram-nos instruções de deixar tudo o que tínhamos de valor que não se pudesse molhar no carro, e seguir pelos passadiços riacho acima. Mal esperava eu que iria voltar para a praia, mas flutuando riacho abaixo!

O fluxo de água é tal que boiar riacho abaixo é uma experiência a fazer, muitos dos que visitam Eli Creek o fazem, e digo-vos que vale a pena! Bem relaxante, com algumas partes mais profundas, mas não muito mais do que 1 metro, mas sempre com um fluxo continuo riacho abaixo!

Com uma média de um fluxo de 80 milhões de litros de água fresca por dia, é uma excelente fonte de água potável para quem decide acampar pela zona. Dizem que é das águas mais puras do mundo, sendo filtrada nas areias da ilha por 100 anos até chegar à nascente.

Não é só um local de culto para os turísticas, mas também para os nativos da zona.  Outrora foi um local de encontro e reunião, e também o local onde os nativos baptizavam os seus jovens.

E claro, como já deu para perceber, é um dos melhores locais para nadar na ilha, além do lago McKenzie e das Piscinas de Champagne.

Destroços do navio SS Maheno

Os destroços do navio SS Maheno são dos locais mais visitados na ilha, principalmente pelas fotografias excelentes que se podem tirar! O local em si é considerado como perigoso, afinal de contas trata-se dos destroços de um navio, e acidentes podem acontecer. Um dos problemas ao visitar o navio é ficar preso do lado do mar, se a maré enche rápido torna-se perigoso sair do lago do navio. E acho que ninguém tem muito interesse em ser arrastado para o mar com tubarões e medusas…

O navio SS Maheno tem uma história muito interessante, começou como um navio de luxo, e durante a Primeira Guerra Mundial foi utilizado como navio hospital, com constantes viagens para a Austrália e Nova Zelândia, e mais tarde destacado para a Europa, para o transporte de feridos entre França e o Reino Unido.

Depois de terminado o seu serviço na Primeira Grande Guerra, o navio SS Maheno voltou ao serviço para o qual tinha sido criado, e assim foi por vários anos, até que em 1935 o seu dono decidiu o vender aos japoneses… E a história quase que acaba aqui. O SS Maheno nunca chegou ao Japão…

Quando o SS Maheno estava a ser transportado para o Japão foi apanhado no meio de um ciclone, a cerca de 50 milhas da costa da ilha Fraser. A tripulação enviou vários pedidos de ajuda, mas só passados 3 dias foram encontrados, já encalhados na praia. Foram feitos vários esforços para o rebocarem de volta para o mar, mas obviamente em vão. Então ali ficou, mais um pedaço da história da ilha Fraser para regalo das máquinas fotográficas dos turistas.

Os Pinnacles

Este foi um dos locais que visitei e que mais me fez arrepender de não ter a viagem preparada. Não me foi dada a explicação da importância e unicidade deste local, simplesmente nos levaram lá de passagem…

Os Pinnacles são uma falésia de areia de várias cores e tons, castanho, laranja e amarelo, o que fazem deste local único na ilha na praia 75 milhas. Existem várias teorias sobre a formação destas falésias, sendo a mais aclamada a mistura das areias com argilas, e que as cores variadas se devem à riqueza mineral de ferro na zona.

Tendo em conta que o tamanho da ilha e o simples facto destas falésias serem de areia, e estes tipos de mudança paisagística, são de facto incríveis. Os Pinnacles de facto merecem imensas fotos, e um olhar atendo.

Céu estrelado visto a olho nu na ilha Fraser

Cabo de Indian Head

Indian Head é o ponto mais a este da ilha Fraser, dizem que em dias bons dá para ver tubarões lá de cima. Nós apanhámos um excelente dia, mas tubarões nem vê-los…

O Cabo de Indian Head fica no final da praia 75 milhas, para chegar mesmo à ponta temos de andar um pouco, enquanto os jipes ficam na praia. Segundo li, a melhor altura para visitar Indian Head é durante o Inverno, isto se o objectivo for mesmo observar os golfinhos, tartarugas e tubarões. Talvez isso explique o porquê de não ter visto nada…

várias teorias sobre a origem do nome deste cabo, uma das teorias é que o cabo visto da praia leste faz lembrar a cabeça de um índio norte-americano, outras teorias dizem que foi o Capitão Cook viu os primeiros nativos da ilha enquanto a explorava em 1770. “Indian” também poderia ter sido o nome que se dava aos habitantes da ilha.

Mas seja qual for a teoria, e seja no Verão ou Inverno, é um local que vale bem a pena visitar. A caminhada para o topo vale cada segundo assim que se olha para baixo e se vê o quão longa é a praia 75 milhas!

Piscinas de Champagne

Um pouco depois de Indian Head chegamos às Piscinas de Champagne. Obviamente que não se tratam de piscinas com champagne…, são umas piscinas naturais que devido à formação rochosa e às correntes fortes, o choque das ondas com as rochas provoca um efeito de espumante para dentro das piscinas. Dá mesmo a sensação de que estamos numa piscina cheia de espumante, daí o nome do local.

É considerado como o local mais seguro para nadar em água salgada na ilha Fraser, pois em mar aberto os riscos são demasiados… Não só é um dos locais mais seguros para nadar, mas também um local de uma beleza incrível. Enquanto nos banhamos nas piscinas podemos ver alguns peixes e moluscos a nadarem entre nós, apreciar as paisagens à volta ou simplesmente relaxar.

De realçar que também existem alguns riscos, nomeadamente de queda nas rochas. Não tem muita piada seremos surpreendidos por uma onda mais forte que nos empurra pelas rochas, e sim, isso aconteceu-nos…, felizmente sem acontecer nada além de uns arranhões. Mas é preciso ter algum cuidado extra. E nadar fora das piscinas? Estão por vossa conta e risco, mas fica o aviso que até nadadores experientes podem sentir dificuldades devido às correntes fortes da zona.

E este foi o ponto mais a norte que visitámos na ilha. Há grupos que se aventuram para mais a norte, mas não tivemos essa sorte.

Onde fica a ilha Fraser?

Como chegar à ilha Fraser

A ilha Fraser fica a cerca de 300 quilómetros a norte de Brisbane, e a apenas 15 quilómetros de Hervey Bay. Existem vários voos regionais de vários pontos do país para Hervey Bay e Brisbane. Depois o que recomendo é se juntarem a uma excursão em jipes todo o terreno.

Um dos pontos de partida mais populares é Noosa, no entanto ainda fica um pouco longe da ilha Fraser. Foi a partir daí que comecei a minha aventura, mas até chegarmos ao ferry ainda demorámos algumas horas, o que acaba por dar um pouco a sensação de parte do dia “perdida”.

Tendo em conta que não se pode conduzir na costa oeste da ilha, os acessos por Hervey Bay devem também ser mais complicados (ou interessantes, dependendo do ponto de vista).

O nosso ponto de entrada na ilha foi a partir de Inskip Point, bastante perto de Rainbow Beach (praia do arco-iris). E é nesta zona que recomendo a ficarem, nomeadamente em Tin Can Bay, onde podem ver golfinhos na praia bem perto de nós! Mas nesta zona também não há muito para fazer, é um pouco perde-se de um lado e ganha-se do outro. Noosa oferece muito mais a quem visita.

A informação que nos deram quando embarcámos na excursão é de que hoje em dia já não se permite entrar na ilha com carro sem uma autorização especial, e como tal, apenas restam as excursões de jipes. Isto não é bem verdade, no entanto é bastante complicado alugar um carro para conduzir na ilha, visto que a grande maioria das empresas de aluguer de carros proíbem de se conduzir na ilha devido à quantidade de sal que poderá danificar os veículos. 

Sugestões de alojamento na ilha Fraser

Booking.com

Recomendações

Se faz parte dos vossos planos conduzirem sem fazerem parte de uma excursão, então há que ter em especial atenção quais as zonas onde podem conduzir. Na ilha não existem estradas, os caminhos são ou pela praia ou por trilhos, e nem em todas as praias se pode conduzir. A costa oeste está quase completamente vedada a condução por jeeps todo o terreno, a areia das praias é macia e facilmente um carro fica ali preso, ou pior…

É possível acampar na praia, mas convém também respeitar as zonas designadas para tal. O ideal será acampar em zonas fechadas devido aos dingos. Por norma os dingos não são violentos, mas o seu instinto selvagem podem causar alguns ataques por se sentirem ameaçados.

Nadar no mar? Nope, nem pensar! Principalmente no Verão! E porquê? Porque naquela zona da Austrália existem muitas alforrecas perigosas, algumas que podem mesmo provocar a morte. Também existem tubarões, mas esses nem sequer são bem considerados como um perigo, apesar da aparente extensa lista de ataques por tubarões na Australia, são muitos poucos anualmente. Os tubarões só aparecem em terceiro na lista de animais mais perigosos na Austrália, e nem sequer se falam em mortes, apenas no risco que aparentam ter. Portanto, sim, cuidado com as alforrecas!

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.