Categories
Diário Europa

De Machico a Porto Moniz, pela parte norte da Ilha da Madeira

A semana que passei na Madeira definitivamente não chegou para conhecer a ilha, é bem maior do que parece e com muito para ver. Os acessos também tornam as distâncias parecerem bem maiores. Num dos dias fomos passear pela parte norte da Ilha, o destino foi as famosas piscinas naturais de Porto Moniz, mas como tínhamos tempo fizemos as nossas paragens pelo caminho para tirar fotos.

A quantidade de túneis é surreal, e ver as a estrada velha então ainda melhor! A fotografia abaixo é a Queda de Água do Véu da Noiva, onde dá para ver parte da estrada velha destruída. Agora imaginem conduzir junto àquelas falésias…

De Machico a Porto Moniz, pela parte norte da Ilha da Madeira
De Machico a Porto Moniz, pela parte norte da Ilha da Madeira

Hoje em dia o caminho pelo norte da ilha é bastante bom, não me recordo ao certo quanto tempo demorámos de Machico a Porto Moniz, mas julgo que se faz em cerca de uma hora passando por vários túneis, sendo um deles o maior de Portugal, o túnel do Cortado (3,168 m). No regresso passámos pelo túnel Eng. Duarte Pacheco, e tenho a dizer que mete algum respeito, é um túnel já antigo por onde passa muita humidade, em certas partes parece que está a chover dentro do túnel! Perfeitamente seguro, mas bastante estreito também, foi engraçado atravessar aquele túnel de carro.

Booking.com

O ponto alto do dia foi mesmo as piscinas de Porto Moniz, apesar do tempo não ter estado muito convidativo para a praia, ainda deu para uns mergulhos e umas boas braçadas naquelas piscinas de água salgada. A entrada é paga, mas as condições são bastante boas e está tudo bastante limpo. A piscina central é a maior, com uma profundidade considerável, ainda a atravessámos umas vezes e foi aí que me apercebi que estava mesmo em baixo de forma… Correr não basta, há que nadar também…

Piscinas de Porto Moniz
Piscinas de Porto Moniz

Apesar da ilha não ter as dimensões de uma grande ilha como a Grã-Bretanha, as diferenças meteorológicas são notórias entre o sul e o norte da ilha, até em termos de paisagem a diferença é bastante grande. Uma ilha pequena mas com uma grande variedade.

Na parte norte da ilha, onde estão as piscinas, o tempo é menos solarengo, e o mar bastante mais violento do que no sul. Tivemos alguma sorte com o tempo, mas como dá para ver na foto ainda apanhámos algumas nuvens, nada que nos impedisse de nos divertirmos bastante!

Não viaje sem Seguro de Viagem!

Recomendo vivamente a World Nomads, seguros especializados para viajantes. Bem detalhados antes de os riscos acontecerem!

O almoço foi também em Porto Moniz, fomos a um restaurante com vista para as piscinas onde comi peixe espada com banana (acho que assada), simplesmente divinal! Comer fruta com peixe para mim foi algo estranho, mas bastante saboroso, adorei e quando voltar vou ter de repetir! Para mim, grande parte da experiência de viajar é a comida, e mesmo sendo parte de Portugal claro que não poderia deixar de experimentar algo novo, foram vários os pratos tradicionais que comi, mas o peixe espada com banana foi mesmo o que me ficou melhor na memória.

O plano original era dar a volta completa à ilha, mas decidimos voltar pela parte norte com mais calma e visitar outras zonas, fizemos imensas paragens para fotos e para nos deslumbrarmos com aquela paisagem de cortar o fôlego. A Madeira é uma ilha bastante acidentada, as escarpas metem bastante respeito e são parte da beleza mais comum da ilha. No regresso passámos por uma pequena localidade, chamada de Ponta Delgada (tal como nos Açores), a foto abaixo fala por si.

Ponta Delgada, Madeira
Ponta Delgada, Madeira

Infelizmente não deu para irmos a Santana, onde estão as tradicionais casas Madeirenses, o tempo não deu para tudo e acabámos por ter de cortar em algumas partes. Ainda assim, aproveitámos as nossas paragens para alguma brincadeira e por sugestão de um dos nossos amigos, experimentámos fazer Geocaching em vários pontos de paragem, bem divertido estarmos todos à procura de uma pequena caixinha para registarmos o nosso achado! Devo confessar que raramente me lembro do Geocaching quando viajo, mas é sem sombra de dúvidas uma ferramenta bastante interessante para conhecer alguns locais mais escondidos e menos conhecidos.

By Gil Sousa

Português emigrado em Cork, viajante e apreciador de boa comida.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.