Categories
Análises Europa

O que levei na mala para os países Germânicos

Já fiz esta viagem há uns meses, mas por algum motivo esqueci-me de publicar esta análise, que sempre faço. Viagem de uma semana durante o Inverno passando brevemente por 4 países com idioma alemão como uma das línguas oficiais. Alemanha, Áustria, Liechtenstein e Suíça.

Preparar uma viagem para temperaturas abaixo de 0 não é algo que eu esteja habituado. Salvo raríssimas excepções, viajo quase sempre durante tempo ameno ou de verão. Claro está, que exagerei e bem no que coloquei na mala…

Roupa

  • 13 pares de meias
  • 1 par de luvas
  • 9 pares de boxers
  • 1 gorro
  • 2 pares de calças
  • 1 cachecol de gola
  • 8 t-shirts
  • 1 cachecol de lã
  • 1 camisola
  • 4 camisas
  • 1 fronha de almofada para a roupa suja
  • 1 base layer (leggings)
  • 1 base layer (camisola interior)
  • 1 par de botas
  • 1 casaco de inverno

Destas coisas todas, claramente houve um exagero de planeamento, principalmente nas meias. Quando vi as previsões atmosféricas para a Suíça assustei-me, devo confessar que ver uma previsão de uma temperatura de 15 graus negativos me deu um misto de excitação e de “vou morrer congelado”. Então, pensei em usar meias duplas…

Acontece que passei imenso tempo dentro de comboios e quando estava fora dos comboios, fartei-me de andar. Não deu tempo para os pés arrefecerem, antes pelo contrário!

Castelo de Hohenschwangau
Castelo de Hohenschwangau

Em relação à roupa interior, sim, usei um base layer inferior, tipo umas leggings. E deu muito jeito! Enquanto que os pés estão sempre em movimento, já as pernas arrefecem e muito! Muita área para cobrir em movimento! Já no que respeita à parte de cima, nunca cheguei a usar. T-shirt, camisa, camisola e casaco…, chega bem! E apenas ficou uma T-shirt por usar, nada mau tendo em conta o exagero de roupa!

Os cachecóis usei os dois, por vezes até em conjunto. Se há coisa que me mete medo enquanto viajo é ficar doente, então achei que deveria proteger muito bem a garganta e mantê-la quente. Resultou, não fiquei doente durante a viagem!

Sobre a fronha de almofada, já expliquei algumas vezes, mas para mim é uma forma mais amiga do ambiente para separar a roupa suja, e também evita que a roupa fique com aquele cheiro a mofo quando está fechada por muito tempo. E por uma semana, o cheiro da roupa suja nunca chega a passar para a roupa limpa, ainda para mais quando uso os cubos de viagem. Depois para lavar, vai tudo à máquina! Não há cá saco de plástico para mandar para o lixo!

Tecnologia

O tripé não se enquadra propriamente na parte da tecnologia electrónica, mas é um acessório importante para a câmara. De todos estes elementos, só os cartões SD é que não os usei todos, mas convém sempre levar uns extra, não vá um deles falhar…

O iPad não usei muito, mas serviu de nos voos e na primeira noite em Munique, de resto nem sequer o usei para tomar notas. Acho que mal saiu da mala…

Diversos

Sim, os lenços de papel foram outro exagero…, mas eu tendo e adoecer facilmente com temperaturas baixas, e tive algum receio de ficar estilo caracol, então fui logo precavido.

Os cubo de viagem já são obrigatórios sempre que viajo, é algo que continuo a recomendar vivamente. Mas em breve devo comprar um só para a roupa suja, que a fronha da almofada quando começa a ficar cheia fica difícil de poupar em arrumação…

Sobre o pacote de silício, é algo que tenho sempre junto da câmara, para evitar humidade nas lentes e fungos. Algo que, acho eu, já foi motivo para ser revistado no aeroporto…, aliás, aconteceu mesmo nesta viagem! Mas para contar mais tarde!

A garrafa de alumínio é algo que tento levar sempre comigo, é uma forma de evitar desperdício de plástico. Acontece sempre, mas é uma forma de evitar. E na Suíça é perfeitamente seguro encher a garrafa com água da torneira, muita água glaciar.

Já o kit de higiene, basicamente foi escova de dentes, fracos para champô e gel de banho, e desodorizante. Acho que foi só, e ainda assim acabei por me esquecer dos fracos do champô e do gel de banho na minha última noite…, ainda para mais foram caros!

Booking.com

E para terminar, em geral até nem correu muito mal. Exagerei imenso nas meias, claramente não sei fazer a mala para viagens curtas, mas acabei por não me esquecer de nada. Quando viajo sozinho por pouco tempo tenho mesmo de começar a fazer malas menos sobrecarregadas. Há muita coisa que acaba por ser desnecessária de levar, e estas análises até me ajudam em parte. Até a uma próxima viagem de inverno!

By Gil Sousa

Português emigrado em Cork, viajante e apreciador de boa comida.

4 replies on “O que levei na mala para os países Germânicos”

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.