10 locais incríveis que visitei na Grécia

10 locais incríveis que visitei na Grécia

Nos seis meses em que vivi em Atenas tive a oportunidade de conhecer muitos locais incríveis na Grécia. Quando sabemos que a nossa permanência num país é limitada a tendência é a tentar aproveitar ao máximo cada minuto livre. E acho que soube fazer isso muito bem.

Foram muitos os locais que visitei na Grécia, e para ser sincero, apaixonei-me completamente por aquele país. Foi complicado definir uma lista de 10 locais, dou garantia de que é facílimo uma pessoa se deslumbrar pela Grécia.

Continuar a ler “10 locais incríveis que visitei na Grécia”

A rota pelos Balcãs

My route through the Balkans

Agora que estou de regresso da minha viagem, e a todo o gás com tempo novamente para escrever, aqui vai o primeiro artigo da série da minha viagem pelos Balcãs. E o primeiro artigo, pós viagem, é sobre a rota e sobre os motivos que me levaram a escolher os locais por onde passei.

Croácia

Decidir onde ir na Croácia foi bastante fácil, voei para Zagreb para me encontrar com uma amiga, que é de lá, e deixei ao critério dela o que visitar e onde ir. Uma visita rápida por Zagreb, e depois rumo à costa para a zona de Šibenik por onde andámos uns dias. Fomos várias vezes à praia, aliás, a casa onde ficámos é literalmente em frente à praia, só tínhamos de atravessar a rua (que nem era movimentada). Fomos também ao Parque Nacional Krka, fantástico 🙂 Mais detalhes nos próximos artigos.

Bósnia e Herzegovina

Ir à Bósnia foi um misto de “erro” e “vontade“. Decidi ir a Mostar pela famosa ponte, no entanto o real motivo que me levou a ir à Bósnia foi o impacto cultural que esperava encontrar, e que de facto me surpreendeu imenso. Ainda não sei se foi um erro não ter ido a Sarajevo, muitos me dizem que deveria ter ido…, mas Mostar é de facto um local a visitar, bonito e cheio de história.

Montenegro

De todos os países por onde passei, este foi o que de facto sinto que visitei e o que mais gostei. Curiosamente usam o euro como moeda, mas não fazem parte da União Europeia, uma forma bastante inteligente de não terem de lidar com a desvalorização da própria moeda em casos de crise nacional. Visitei alguns parques nacionais, num país tão pequeno, e passei imenso tempo na magnifica vila de Kotor.

Rota pelos Balcãs
Rota pelos Balcãs

Albânia

A Albânia foi um dos improvisos da viagem, não fazia parte dos meus planos mas foi uma passagem estratégica a caminho da Macedónia (FYROM). O plano inicial passava por ir de Montenegro directamente para a Macedónia num autocarro nocturno, mas optei por fazer uma paragem intermédia em Tirana e fazer a viagem durante o dia para ter uma ideia do que é o país. Foi uma boa decisão, viagem mais tranquila e com alguns detalhes interessantes pelo meio 🙂

Macedónia (FYROM)

Macedónia, nome oficial de Antiga Republica Jugoslava da Macedónia, onde fiquei na antiga capital Ohrid junto ao lago com o mesmo nome. Como seria de esperar, a cidade transborda de história, com monumentos por todo o lado em que se nota as várias épocas históricas que passaram por aquela cidade. Aproveitei para relaxar enquanto estive naquela cidade, com um dia dedicado a estar no lago a apanhar banhos de sol e a nadar 🙂 Apenas me arrependo de não ter ficado num hostel, aquela cidade é cheia de vida, dia e noite.

Grécia

E de volta à minha amada Grécia! Não há muito a dizer sobre este país que tanto adoro, não faltam artigos neste blog a narrarem experiências que por lá vivi. Passei uma noite no norte da Grécia, passagem estratégica para não chegar demasiado cansado a Atenas, e mais uma noite em Atenas para ver amigos apenas. Como seria de esperar, valeu bem a pena 🙂

GuardarGuardar

E assim termina 2009…

E assim termina 2009...

Janeiro 2009

Mês que deu várias voltas na minha vida, entrei em Janeiro a pensar que iria estagiar numa grande empresa multinacional em França, acabei o mês numa empresa Portuguesa com bastante potencia. O destino foi um pouco incógnito, entre China e Grécia lá acabou por ser o segundo.

Foi também um mês a recordar, mas por motivos bem tristes, um português da edição anterior tinha desaparecido a cerca de um mês do final do seu estágio…, o seu corpo foi encontrado no rio Spree em Berlin (cidade onde ele fez o estágio) passadas umas semanas…

Viver na terrinha
Correrias
Sem calças…
Centrifugação cerebral!
Find Afonso Tiago
Será desta?
Newsjunk!
Tic… tac…
How to have better sex!

Fevereiro 2009

Logo no inicio deste mês viajei para Atenas, uma antiga cidade num país “recente” no entanto tudo muito novo para mim, ainda para mais quando cheguei de noite…, uma “pequena aventura”.

Conheci alguns portugueses em Atenas, conheci as novas instalações do meu novo trabalho, fiz as primeiras visitas pela cidade e sofri o primeira (e única) tentativa de assalto em Atenas, só mesmo para abrir os olhos 😀

Ataque de sono…
Packing…
De partida!
72 horas em Atenas!
Número Grego
Viver em Atenas
Finja finja, até que atinja!
Karma…
Primeiro fim-de-semana para passear…, ou não…
Coisas
Com 3 letrinhas apenas…

Março 2009

Mês das minhas primeiras viagens, algumas sozinho outras nem por isso, mês onde iniciei o meu contacto com a comunidade Couchsurfing Grega e onde tive algumas surpresas, umas fantásticas outras não tão boas…

Foi também o mês onde comecei a “tentar” aprender Grego e onde rapidamente me apercebi que tinha algum potencial na coisa…, infelizmente não fui tão rápido a perceber que estava nas aulas erradas…, mas enfim, fica para a próxima…

Primeiro fim-de-semana prolongado!
Como encontrar uma agulha num palheiro…
E mais do mesmo, fim-de-semana em Atenas…
Primeira aula de Grego!
Bombinhas de Carnaval
Venha a gripe!
Viagem pelo Golfo de Korinthos e Golfo de Argos
Atenas Veneziana
Onde anda o rato??
Twitter – Uma Inovação ou apenas outra Moda?
25 de Março
Sopa de Tomate!
Fim-de-semana em Thessaloniki

Abril 2009

Mês que começa com “mentiras”, e onde vem a primeira vaga de calor (que eu julguei ser já muito quente…), mês em que recebi o meu primeiro Guest Couchsurfing totalmente desconhecido (e único até agora), mês onde tive algumas decepções BEM grandes. Enfim, um mês bastante conturbado…

CAOS!!! E começou o tempo quente!
Shit Happens!
Mais outro fim-de-semana em Atenas…
Atenas à noite
Tempo na Grécia
My first CS guest
Aventuras: Corte de cabelo? ãh?
Quarto em Movimento
Viagem a Istambul…, ou então não…
Πάσχα
Pull and Push
Curiosidades sobre a Grécia
Economizar para quê?
Recuperar Energias
Para onde caminha o meu blog…

Maio 2009

Mais viagens, mais ilhas, menos tempo…, o meu estágio já tinha passado o “meio” e agora seria uma correria até voltar para Portugal, e eu com tanto para ver.

Conheci várias pessoas durante os meses anteriores, mas em Maio foi onde fortaleci algumas amizades e onde senti que fiz amigos de longa data, até tive direito a uma alcunha grega 😀 Neste mês também conheci pessoas fantásticas que andam ou andaram a viajar pelo mundo pelos mais diversos motivos e com uma quantidade abismal de histórias para contar…

Rhodes, cidade intemporal
4 and counting…
Cultura em Portugal!
Seize The World
Um momento nostálgico
Ten to go…
Big Ass!
E agora…, a ribalta!
Being Green!

Junho 2009

E mais um mês de stresses…, noticias menos boas de Portugal (finalmente percebi como os meus pais se sentiam ao ver noticias sobre a Grécia…), passar o segundo aniversário da minha sobrinha à distância, um pequeno susto no mar devido ao facto de eu andar feito um ocioso…, ahhh, e mais viagens, claro 🙂

Há mar e mar…
A Galinha da Vizinha
ALMOST lost in translation!!!
Dois e Cinco faz Sete 😀
Django, os meus primeiros passos.
Voltinhas para dar
Lidar com Pessoas
Portugal dos Coitadinhos
Jornalismo vs Sensacionalismo
Another weekend 🙂
E já foram publicados 🙂

Julho 2009

Último mês na Grécia, e mês para aproveitar para concretizar um sonho antigo…, visitar Istambul 🙂 Além de Istambul também aproveitei para conhecer outros locais que andava desejoso de vir a conhecer desde o momento que comprei um livro turístico sobre a Grécia continental…, enfim, mais viagens…

Foi também o mês onde tive a surpresa de ter a necessidade de telefonar para o 112 e aperceber-me que não falam inglês ou quando falam, falam muito pouco…, e foi o mês palco das minhas CINCO festas de despedida! Momentos que marcam, saudades que ficam!

Bowling night!
Uma entrada.
Non Stop!
Beach Party (number one :D)
Segurança Bancária
Segurança Bancária – O desfeixo final
Ring ring, Emergency Call?
Viagem a Byzantium

Agosto 2009

Mês para férias (para alguns), para mim foi o mês que andei a tentar perceber se iria ter emprego na mesma empresa ou não…, foi o “ou não”…

Escrevi umas mensagens no blog, mas a partir daqui tanto o entusiasmo como a falta de assunto ditaram a inactividade do meu blog, com isto não quero dizer que a vida tenha sido pior ou melhor 🙂

Vai-te embora, ó tuga!
Surpresa!
Lá por fora
0,1%

Setembro 2009

Mês em que comecei a desesperar com a falta de respostas de empresas, onde me fartei de enviar CVs essencialmente para o estrangeiro e que mais tarde acabei por dar o braço a torcer e enviar também para empresas em Portugal. Evito sempre escrever sobre trabalho e sobre empresas no meu blog, pelo que são raros os artigos que aparecem com tais referências.

Colecção para canhotos
Visitas ao Hospital Veterinário
Novo Visual (again)
Primeiras gotas
Mau aspecto
BCC; Τι είναι αυτό;
Combater a estúpidez com…, estúpidez!

Outubro 2009

Foi o mês em que comecei a enviar os CVs para empresas em Portugal, onde recebi uma primeira resposta que mudou todo o rumo das minhas candidaturas…, uma pequena dica numa entrevista de emprego que me valeu mais entrevistas! E é por isto que digo, mesmo que à partida a empresa não nos interesse, podemos aprender muito só com a entrevista e por vezes a proposta é bastante mais interessante do que estávamos à espera 🙂

Aqui há gato…
Terapia da Fala
E mais uma marca…
Free hugs and free paper flowers!
Lost Generation
Saudades :’)
Espinafres fritos com queijo!
E se isto fosse em Lisboa ou no Porto?
e-life – Do you have one?

Novembro 2009

E este é o mês que marca o inicio de uma nova etapa na minha vida, emprego finalmente! Voltei a explorar os transportes públicos em Lisboa (e arredores) e apercebi-me da quantidade de coisas que ainda funcionam mal por cá e que poderiam ser tão facilmente resolvidas se os nossos deputados da oposição não perdessem tempo a procurar falhas na vida privada do nosso primeiro ministro para o atacarem na AR que leva a que todos percam tempo a resolver problemas que não dizem respeito ao resto do país 🙂

Religion is bullshit
New Challenge
Trabalho vs Emprego
E porque me apeteceu…
E é por coisas deste género…
Transportes em Portugal

Dezembro 2009

Mudança de nome do blog, alguma nostalgia, mais trabalho, terramotos, tornados…, enfim, um mês cheio de espirito Natalício 😀

Tal e qual!
The real life of a lifeless
Quantos lugares vagos?
E se…
E mais um anito que passa
E tudo o vento levou…
Feliz Dia de Consumo
Gravatas e Camisas
E assim termina o meu ano…

232 comentários em 111 posts!

Votos de um Excelente 2010 para todos vós 🙂


Gostou do artigo? Adicione-o ao Pinterest!

E assim termina 2009...

GuardarGuardar

Monemvasia, um ilhéu bem especial na costa do Peloponeso

Monemvasia, um ilhéu bem especial

Este é o significado de Μονεμβασία, uma ilha bem pequena no sul do Peloponeso ligada ao continente apenas por uma ponte, mas antes de falar desta vila medieval…, um pouco sobre a viagem.

Tive de apanhar um autocarro às 8 da matina, disseram-me que a viagem seria cerca de 5 horas o que acabou por ser 6 com uma troca em Sparti (yeah, já fui a Sparti \o/ Não tem nada para ver…), ao chegar a Monemvassía apanhei grande decepção…, vejo um calhau enorme no mar junto a uma vila, pensei que era só aquilo. Lá no topo do calhau dava para ver umas ruínas, mas de fora parecia muito pouco interessante. Nos últimos kms antes de chegar a Monemvassía apercebi-me que seria mais uma vez impossível fazer free-camping por ali, é TUDO a descoberto e nada de vegetação…, e o belo do sinal a dizer que free camping é proibido e que dá origem a uma multa de 149€ / dia e / campista…, também me fez pensar duas vezes 😛 Tá visto que free camping na Grécia com tempo seco é para esquecer (e daí talvez não…).

Escolhi o hotel mais barato, ainda tive de largar 30 euros por uma noite numa merda de hotel que mal dava para tomar banho, e lá fui eu para o calhau averiguar o que havia ali para ver…, a ilha é bastante pequena, aí uns 4 ou 5kms de perímetro e só tem uma estrada de asfalto até à entrada do castelo, que fica do lado do mar, ou seja, não dá para ver da vila que está no continente (daí a decepção de não ter visto nada).

Meti-me à estrada, e fui até ao castelo, pelo caminho encontrei uma “piscina natural” bem porreira que me deu vontade de entrar logo para dentro do mar, mas optei por dedicar o primeiro dia a explorar a zona. Chegada ao castelo, impacto bem positivo! Primeiro a decepção, depois a realização! A aldeia medieval é mesmo brutal, fartei-me de andar lá por dentro, perdi-me naquelas ruelas bem estreitas e cheias de escadas e cantos refundidos, fartei-me de tirar fotos até que decidi ir à “upper town”.

O Rochedo de Monemvasia
O Rochedo de Monemvasia

Monemvassía está dividida em 2 partes, a upper town onde apenas resta a capela Aghia Sophia (sim, tem qualquer coisa a ver com a de Istambul. Li qualquer coisa lá, mas já não me lembro) e uns calhaus lá pelo meio. Era a cidade dos nobres, claro está, pois é de muito difícil acesso, já não basta a ilha só ter uma entrada como para ir para o topo do calhau também só dá por um lado, a vila devia ter um poder defensivo brutal…, mas ao mesmo tempo também deveria ser bastante fácil fazêr-lhes um cerco. Se custa a entrar, também custa a sair…

Depois há a “down town”, a vila que está junto ao mar e que “dificulta” o acesso à upper town. Aquilo é mesmo um labirinto, ainda demorei umas duas horitas a perceber como raio ia para o castelo (isto sem mapas). A down town está bastante bem conservada, cheia de lojas e cafés na rua principal mas com uma característica medieval, casas, igrejas e afins, mesmo muito porreiro! E até têm uma praia “particular” para a vila, só há acesso à praia pelo castelo ou por mar 🙂

No primeiro dia fiquei-me por ali, voltei para a vila “nova”, fora do calhau, e depois andei pela zona dos bares, aparentemente eles têm uma noite ainda engraçada… Entretanto, fui até ao cais, tirar umas fotos e aproveitar um tempinho para pensar também, e enquanto estava sentado na borda do cais a olhar para uns peixes que andavam por ali, vejo algo BEM grande a passar mesmo junto a mim! Até fiquei parvo quando me apercebi do que se tratava, UMA TARTARUGA GIGANTE!!! Aí a um metro de mim!!! Saquei da câmara, e foto com flash…, PARVOOOOO, assustei o bicho e só fotografei água…, nada mais 😐 Depois voltei a tirar outra foto mas sem flash, ainda não passei as fotos para o pc mas pelo que vi na máquina, dá para perceber o vulto do animal, mas como se estava a mexer e como ainda tive a diafragma (ou é o obturador?) aberto durante uns segundos, aquilo ficou um bocado tremido…, o animal bem que podia pousar 😛 Passados uns minutos ele voltou e até meteu a cabeça de fora de água, que animal brutal!

A vila Medieval de Monemvasia
A vila Medieval de Monemvasia

De tanto andar, acabei por ir para o hotel descansar…, e no dia seguinte levantei-me cedinho para ir nadar 😀 Tinha de apanhar o autocarro pelas 14horas, então era mesmo para ir nadar e pouco mais, não havia muito mais para ver no calhau…, fiquei surpreendidissimo com aquelas águas, senti-me aí com metade do peso! Eu que raramente consigo flutuar por inteiro, ali quase que nem precisava de tentar flutuar, a água fazia o trabalho todo! E até a velocidade com que nadava era bem superior ao habitual! Que sensação fenomenal, ainda tenho de perceber quais as características da água para provocarem tal efeito… O fundo sub-aquático daquela zona é algo de surreal, fiquei com uma vontade parva de comprar equipamento de mergulho para começar a explorar o fundo do mar, vale mesmo a pena perder umas horas a olhar para aquilo!

E agora é a altura em que eu decido fazer coisas realmente estúpidas…, antes de mais, convém dizer que eu tenho um pavor de morte de aranhas. Não sei explicar o porquê, só sei que fico com tremores, suo que nem um cavalo e até fico com tonturas quando me deparo com aranhas…, ora bem…, porque raio é que me lembrei de ir explorar o lado norte da ilha? A zona onde só tem um trilho pelas rochas e escarpa do calhau? E MUITAS ARANHAS??? Aí a cada 3 ou 4 metros encontrava uma teia enorme no meio do caminho com o belo do bicharoco lá mesmo no meio, e ainda por cima grandes, o que ainda mais confusão me mete…, a meio do caminho cheguei mesmo a ponderar voltar para trás tal não era o pânico com que eu estava…, eu cheguei a escorregar algumas vezes à pala das aranhas e uma das vezes quase que caia mesmo da escarpa…, porque raio não escolhi outro animal raro para ter medo? Aí tipo o tigre de bengala? Tinha de ser logo a vulgar aranha… Andei a fazer figura de urso pelo trilho com um pau a desmanchar teias de aranha para tentar passar e a tremer feito parvo cada vez que encontrava uma aranha…, enfim…

Nota mental: Não voltar a passear por trilhos no Verão, é por merdas destas que eu adoro o Inverno…, há bastantes menos aranhas a lixarem-me o percurso todo…

Depois, regresso a Atenas…, das 14 às 21horas…, viagem de morte 😐 Tive de trocar 2 vezes de bus, e foi curioso o que aconteceu na primeira troca…, sento-me num lugar vago, ao que aparece uma gaja a reclamar o lugar pois tinha bilhete com número…, troco para outro lugar vago ao que começo a ouvir falar em Português ao meu lado! Encontrei dois tugas no fim-do-mundo! Será isto possível? Claro que fomos  a viagem quase toda a falar, a rapariga está a terminar agora EVS em Kiato e o rapaz veio cá visitá-la! Bem porreiros, vamos lá ver se os volto a ver cá por Atenas antes deles voltarem para PT 🙂

Erros para os outros evitarem: Monemvassía vê-se num dia, tem piada passar a noite e ver o castelo de noite, mas no dia seguinte tentem ir para outro destino…, fica demasiado caro ir para tão longe APENAS por Monemvassía! É brutal, mas convém arranjar algo mais para ver!


Gostou do artigo? Adicione-o ao Pinterest!

Monemvasia, um ilhéu bem especial na costa do Peloponeso

Fim-de-semana de couchsurfing em Évia

Couchsurfing em Évia

Mais outra ilha, se é que posso dizer que vi outra ilha… Apenas fui a Amarynthos na ilha Évia, uma ilha bastante grande e tendo em conta que passei o tempo todo na mesma praia, com as mesmas pessoas, e na mesma casa…, acho que não tenho o direito de dizer que vi outra ilha, portanto, rectifico para fui a outra ilha 😀 Oitava ilha Grega 😀 Já fui a mais ilhas na Grécia que em Portugal 🙁

Bandeiras de quem estava na casa
Bandeiras de quem estava na casa

Foi um fim-de-semana brutal, novamente com o pessoal do couchsurfing, onde deu para festa, praia, comida e bebida…, e até para mau tempo… Não na ilha, mas em Atiki (que é bem perto da ilha), uma tempestade que dava para perceber que chovia torrencialmente, mesmo quando estávamos ao sol na ilha 😀 Que sensação! E a quantidade de relampagos do outro lado?

Agora é planear o próximo fim-de-semana…, que se espera também brutal 🙂 Já agora, mais fotos disponíveis no picasa 🙂 Quem quiser ver as fotos, é dizer alguma coisa 🙂


Gostou do artigo? Adicione-o ao Pinterest!

Fim-de-semana de couchsurfing em Évia

Fim-de-semana em Skiathos e Skopelos

Fim-de-semana em Skiathos e Skopelos

Mais duas ilhas, já cá contam 7 😀 As ilhas do filme Mamma Mia (filme que ainda não vi), valeu bem a pena o fim-de-semana prolongado!

Vamos lá…, para não variar…, acordei atrasado…, lá tive de correr para Omonia para apanhar o autocarro para Aghios Konstantinos onde teria de apanhar o barco. Cheguei a tempo 😀 Fui a viagem de autocarro toda a dormir, que ainda demorou 1 hora…, no barco lá encontrei uns tugas e cada vez ando mais surpreendido com a educação que dão aos putos hoje em dia, os putos falam tanto Português como Francês fluentemente! E no regresso para Atenas conheci um casal (ela sei que é alemã) em que o filho tanto fala Inglês como Alemão! Casal bastante simpático que me deu algumas dicas (já fora de tempo) sobre Skopelos, mas já falo sobre isso…

A primeira ilha foi Skiathos, ao chegar lá aluguei logo uma moto para passear pela ilha e com o intuito de ir para o norte da ilha fazer campismo selvagem…, mas o gajo disse-me logo “não ir para as montanhas nem para o norte da ilha” pensei logo para mim “claro que sim, paixão, é já o primeiro destino…” ao que o gajo complementa com “death roads“…, perguntei no posto de turismo e desaconselharam-me a ir para essa zona de moto, só de carro… Pronto, lá se foi a ideia de ir para o norte da ilha fazer campismo selvagem.

Eu passo do 80 para o 8, do extremamente organizado (quase psicótico) passei para o gajo que se mete num autocarro sem sequer olhar para o mapa da ilha e sem sequer saber o que vai esperar. O plano era fazer campismo selvagem em algum canto, apenas sabia que o sul da ilha é muito turístico e que os hotéis andam sempre à caça de free campers…, no norte da ilha há menos turistas e mais fácil para free camping, mas com a condição das death roads lá tive de tentar o sul da ilha…

Perguntei onde era o parque de campismo, apenas para ter em mente, e meti-me à estrada. O parque era do outro lado da ilha, portanto sempre podia ir vendo locais para meter a tenda até chegar ao parque de campismo… A cada km encontrava um ou dois hotéis!!! É mesmo complicado passar despercebido com uma tenda com toldo PRATEADO numa zona de hotéis. Lá me decidi pelo parque de campismo…, caro, por sinal…

Praia na ilha de Skiathos
Praia na ilha de Skiathos

O parque de campismo fica junto a uma lagoa porreirita, uma paisagem protegida. Apenas a vi por fora, quando lá cheguei já estava fechada e acabei por não a visitar no dia seguinte, no entanto fiz uma ronda pelas praias…, acho que nunca estive em tantas praias num só dia 😛 Tantas praias paradisíacas 😀 Numa dessas praias encontrei um pequeno pântano, mesmo junto ao mar, aquilo dava ideia de ser um rio que ficou “fechado” pela areia da praia. Meti-me no pântano para explorar a coisa, ao que vejo uma “cabeça” a espreitar na água, pensei ser uma cobra…, depois vejo mais 3 cabeças perto daquela e todas a dirigirem-se para mim…, até que vejo 4 carapaças!!! Tartarugas ali, e todas a virem ter comigo!!! Os turistas devem de lhes dar comida, então vieram logo ter comigo!

Ao fim do dia, decidi ir às compras…, aquela ilha só tem bancos na cidade (que fica a 10kms do parque de campismo), lá tive de voltar a ir à cidade, mas pelo caminho encontrei um supermercado grande com o sinal de VISA na porta, pensei que mais valia pagar com cartão…, fiz as minhas compras…, e quando vou para pagar “está fora de serviço” 😐 Perguntei onde era a ATM mais próxima, ao que o gerente da loja me pergunta quanto tenho, mostro-lhe 1,70€, a conta era uns 3€…, ele agarra-me no guito e diz “podes ir, eu pago o resto”! Quem diria, Gregos assim tão simpáticos nas ilhas? 😀

Voltei para o parque de campismo, jantei e decidi dormir um bocado para no dia seguinte aproveitar para explorar mais partes do sul da ilha e ver a cidade…, no entanto…, aí à meia-noite ou uma da matina acordei com uns pác pác pác pác…, eu tinha apenas a rede anti-mosquitos colocada, a cobertura da tenda estava aberta para entrar algum ar. O pác pác pác não paráva ao que começo a notar que estava a ser acompanhado com um gemido…, olho para a rua e vejo na tenda em frente (aí a uns 10 metros da minha) o que se estava a passar! O belo do casalinho lembrou-se de mandar uma ali em pleno parque de campismo, algo nada de estranho…, não há isolação de som, deu-lhes a vontade portanto toca a andar… Onde está a parte especial no meio disto tudo? É o facto de eles terem um candeeiro de jardim por detrás da tenda deles!!! Da minha tenda o que se via era sexo estilo sombras chinesas!!! Ela de 4, e o rapazito a dar-lhe com violência (ao ponto de eu acordar com os pác pác pác).

Na manhã seguinte, acordei com os passarinhos, a natureza, o blabláblá todo que o campismo dá direito…, e com uma vontade de ir ao WC brutal (acho que se dispensam pormenores), ao regressar à tenda volto a ouvir os pác pác pác dos vizinhos acompanhado com um gemer brutal da jovem! É caso para dizer que uma queca ao deitar e outra ao levantar, dá saúde e alegria e faz os vizinhos despertar!

Lá arrumei a minha tenda, e fiz-me à estrada, rumo a mais praias e à cidade de Skiathos 😀 A cidade é mesmo brutal, valeu a pena! Fartei-me de passear por lá e nunca me fartei, até deu direito a passar duas horas a nadar junto às rochas 😀 Seguiu-se a viagem para Skopelos…

Baía de Skopelos
Baía de Skopelos

Skopelos, a aposta errada deste fim-de-semana. Acho que tudo correu ao contrário das minhas expectativas, no entanto o balanço até nem é mau de todo…

Outra tentativa de free camping, ao chegar voltei a perguntar onde é o parque de campismo (just in case) ao que me dizem “we don’t have such thing here…”, porreiro…, lá se foi o plano B 😛 Tem mesmo de ser campismo selvagem 😀 Até servia de prenda de aniversário para o Tiago (o gajo que me introduziu ao campismo selvagem), a primeira vez que faria campismo selvagem sozinho 😀 Estava bastante empolgado com a coisa…

Comprei um mapa por 1,50€ e escolhi uma estrada, a que tinha menos hotéis assinalados no mapa, mas com alguns não marcados…, andei andei andei…, só montanhas e sem um cantinho com menos relevo…, ainda me meti pela mata a dentro mas cheguei a outra estrada :X Merda de estradas que são em éSSes 😡 Arranhei-me todo para nada…, continuei a andar até que encontrei um trilho, meti-me por esse trilho…, andei andei andei…, encontrei um canto brutal para meter a tenda! Escondido, plano e junto a uma gruta (?!), tentei passar para essa clareira ao que vejo abelhas por todo o lado…, olha que merda, afinal aquele canto tinha mais habitantes do que eu esperava…, e não eram nada poucas. Já estava a ficar noite e eu sem encontrar nada, rendi-me e voltei para a cidade (ou vila) de Skopelos.

Pelo caminho apanhei uma boleia, acho que ando com pontaria para Albaneses…, gajo bastante porreiro e que deu para uns minutos de conversa em grego 😀 Ando tão orgulhoso do meu vocabulário pobre 😛 Pelo menos fiz um pouco de hitch-hiking 😀

Acabei por ficar numa pousada bastante castiça, barato e com direito a banhoca (que depois de tanto mato…, estava bem a precisar…), no dia seguinte fiz a má aposta…

Skopelos é uma ilha brutal, apareceu num filme com praias paradisíacas…, mas a capital da ilha é uma decepção. Fica numa baia, logo, é local excelente para acumular lixo…, e ninguém trata daquela porcaria toda…, a cidade em si é porreira mas não me deu nada de novo comparado com outras cidades nas outras ilhas, mesmo formato: ruas estreitas, escadarias, páteos brutais. Vale a pena, mas é a tal coisa…, já é banal para mim. Segundo o casal (que falei antes) me disse no barco, ilha de Skopelos é mais bonita que a ilha de Skiathos, mas só fora da cidade, a cidade é de facto a mancha negra da ilha. Escolhi a cidade em vez de andar a passear de moto pela ilha…, más apostas que se fazem.

Fica aqui a dica para quem quiser fazer viagens deste estilo: Não planear demasiado, mas saber para onde se vai. Eu não tinha mapa, não vi nada na net, não sabia ao que ia. Gosto de me surpreender e evito criar expectativas, portanto evito olha para imagens na net…, mas convém saber o que se espera. Fazer free-camping em ilhas turísticas é algo bastante complicado, os hotéis andam sempre à caça de free campers e são eles que denunciam à policia. Depois há o facto do relevo, ilhas como Rhodes, Eghina, Syros e afins até é capaz de dar para fazer free camping (Rhodes é enorme), não são demasiado turísticas e o relevo não é demasiado acentuado. Agora as Sporades…, é mesmo para esquecer, o relevo é bastante acentuado e há bastantes hotéis espalhados pelas zonas mais turísticas da ilha.


Gostou do artigo? Adicione-o ao Pinterest!

Fim-de-semana em Skiathos e Skopelos

GuardarGuardar

Visitar Hydra, mais uma ilha grega perto de Atenas

Um dia por Hydra

Mais uma ilha…, mais uma voltinha 😀 Desta vez foi a vez de Hydra, uma ilha com a particularidade de que não tem transito motorizado! Lá ou andam de bicicleta (não vi nenhuma) ou andam de burro…, ou como eu, andam a pé 😛

Mais uma viagem que fiz sozinho, dá para notar isso nas fotos 😛 Viajar sozinho tem grandes vantagens mas também tem grandes inconvenientes…, e ainda não consegui perceber o que é que gosto mais de fazer mas também não pretendo vir a perceber, são experiências que valorizo de igual forma 🙂

Mas…, fazer uma viagem sozinho enquanto se devora Siddhartha…, não recomendo mesmo! É um livro excelente, recomendo mesmo e quem me recomendou acertou de tal forma que acho que nem tem consciência disso! No entanto…, ler mais de metade do livro num só dia e ainda para mais quando é um dia em que é suposto estarem sozinhos…, é de cortar os pulsos! Consegue mesmo dar a volta à cabeça a uma pessoa, e foi por isso mesmo que comprei o Angels and Demons de Dan Brown para desintoxicar! Siddhartha é um livro impecável com uma história (demasiado) profunda, mas não para momentos em temos demasiado tempo para pensar sobre a história…, sério 😛

Hydra é uma ilha ainda grande, só andei pela vila principal e já me deu mesmo muito que fazer! É excelente deixarmo-nos perder no meio de vilas assim, é quase como uma viagem a um passado não muito distante. E aquele mar…, não vi uma única praia de areia, aliás…, não vi uma única praia segundo os nossos padrões, o que vi foram rochas com acessos para o pessoal mergulhar…, e valeu bem a pena! E não, não quero fazer inveja </mentiroso> 😛

Burro em Hydra
Burro em Hydra

E agora andando um dia para trás no meu fim-de-semana…, Hydra foi apenas no Domingo, mas no Sábado também tive actividades! Mais um picnic com o pessoal do couchsurfing, mais uma tarde excelente (e noite)!

Mais uma carrada de pessoal que conheci, a comunidade CS de Atenas é mesmo algo do outro mundo, picnics com mais de 50 pessoas…, é obra! É pessoal bastante próximo mesmo, é uma recepção que deixa muita gente surpreendida e que mete muitos gatherings planeados com meses de antecedência a um canto! Mais fantástico ainda são as pessoas que tenho conhecido por estes eventos…, já conheci 2 franceses que andam a dar a volta ao Mundo…, mas conhecer um americano que sofre de epilepsia e que decidiu dar a volta ao mundo em BICICLETA para angariar fundos / divulgar a campanha ao resto do mundo…, é obra!

Ahhh, e eu quase que apareci na TV 😛 Pena nem toda a gente ter estado de acordo…, mas a TV grega anda a fazer uma reportagem sobre o CS e foi convidada para ir ao picnic! A comunidade CS anda mesmo a apostar na divulgação, todos têm o direito de ter conhecimento disto e todos têm a liberdade de escolher se querem ou não aderir,  mas sem divulgação…, ninguém conhece isto!


Gostou do artigo? Adicione-o ao Pinterest!

Visitar Hydra, mais uma ilha grega perto de Atenas

Rhodes, ilha de uma das Antigas Sete Maravilhas do Mundo

Fim-de-semana na Ilha de Rhodes

Há uns meses na Grécia (ou Hellas?), e pela primeira vez fui ver o local onde estava uma das 7 maravilhas do Mundo Antigo, 2 das 7 maravilhas estavam localizadas em Hellas. Rhodes já foi, agora é Olimpia 🙂

Não é exacto o que aconteceu ao Colosso de Rhodes, e pelo que acabei de ler na wikipedia até estão a planear reconstruí-lo, no entanto não é pela “falta” do Colosso que a entrada marítima de Rhodes é menos grandiosa, mesmo em tempos modernos é fantástico entrar no porto de Rhodes!

A aventura começou no momento em que me telefonam a dizer que devido à greve de trabalhadores a viagem de avião foi cancelada…, disseram-me isso no dia 30 de Abril à tarde…, o voo seria no dia seguinte de manhã…, imediatamente perguntei se haveria alguma alternativa ao que eles me respondem “ou 5 da manhã ou só às 18horas”, nem sequer hesitei, disse logo 5 da manhã! Seria mais cansativo, mas não seria um dia desperdiçado! Fui de directa para Rhodes…

Ao chegar, das duas uma, ou ia andar o dia todo roto ou então mais valia uma sesta no hotel, foi isso que acabámos por fazer, até às 12:00 dormimos uma sestazinha e depois rumo ao desbravamento da ilha! Agarrámos no belo do mapa e do GPS, e seguimos rumo à outra ponta da ilha, pelo caminho ainda vimos um pavão à beira da estrada (aparentemente existem uns quantos lá em estado selvagem) e umas quantas cabras da montanha…, e claro…, praias e baias de meter inveja a muito boa gente! Depois coloco as fotos online 😛

PIlar onde estava uma das pernas do Colosso de Rhodes
PIlar onde estava uma das pernas do Colosso de Rhodes

Segundo um guia turístico que tínhamos, seguimos rumo a Lindós, não fomos à Acropolis (e agora que vejo na wikipedia, se calhar deveríamos ter ido…), mas passámos um bom bocado numa das baias mais fantásticas que alguma vez vi! Com água cristalina e totalmente translúcida até a uma profundidade considerável! Problema: Era suposto chover nesse dia, nem levei calções de banho… Solução: Os meus calções andam a pedir reforma há bastante tempo, e nem tinha toalha de banho (esqueci-me em Portugal), portanto usei isso como desculpa e toca a comprar uns calções de banho e uma toalha do Garfield 😀 O homem da loja ainda perguntou se essa toalha não seria para a Ana 😡 (dispenso comentários)

Dei um mergulho no caís, mas que sensação brutal! O meu primeiro banho em mar Grego! E sim, também tenho fotos que comprovam que estive lá dentro 😛 E sim, vai ser um total mete-nojo 😀 Fiquei todo roto num instante, ando mesmo em baixo de forma…, mas pelo menos fiquei bem contente 😀 Como diria o Malato, em Lindós fui feliz 😛 A caminho do carro ainda deu para dar umas festas num burro, acho que me estou a mentalizar para o próximo fim-de-semana…, mas isso fica para contar depois 😛

Depois de Lindós seguimos viagem, mas tal era o nosso desgaste de poucas horas de sono e várias horas de viagem que lá resolvemos voltar para Rhodes, banhoca e caminha! Pelo caminho ainda fizemos um desvio para vermos o interior da ilha, mas foi pouco mais do que isso…, no dia seguinte era para levantar cedo…, mas não foi assim 😡 11 horas quando saímos da cama 😡

Vila de Lindós
Vila de Lindós

No Sábado decidimos ir pela outra costa da ilha, mesmo objectivo…, chegar à outra ponta da ilha…., andámos, andámos, andámos…, pelo mapa havia uma praia qualquer “recomendada”, e lá descemos por caminhos de cabra até à praia. A ilha de Rhodes é bastante grande, e por diversas alturas perdemos total noção de que estamos numa ilha, é uma ilha bastante montanhosa e bastante árida e é só a 3ª ou 4ª maior ilha da Grécia…, é normal perdermos total noção de estarmos rodeados de mar. Só de comprimento a ilha tem uns 80kms…, isto em linha recta…

Já na praia, encontrámos uma praia de seixos…, é bastante giro, faz tipo massagem aos pés mas não foi nada de fenomenal. Nem sequer estava com muita vontade de ir ao mar, e a ventania também não ajudou muito…, acabámos por nem entrar no mar. Após isso começámos novamente a reconsiderar o nosso objectivo, até àquele momento a ilha não nos tinha impressionado muito, é montanhas áridas, são falésias que de facto cortam a respiração mas que vemos isso a conduzir e algumas baias com praias “giras”, mas nada de paradisíaco…, e ainda mal tínhamos visto a cidade velha de Rhodes…, ir a Rhodes e não ver a cidade velha é considerado pecado…, de realçar que parte de uma das estradas principais é de terra batida…, isso torna as coisas ainda mais interessantes 😛 Tanto o GPS como o mapa diziam isso, de facto aquilo tinha todo o aspecto de estar em construção de uma nova estrada a sério…

Pelo caminho parámos num castelo, mas que vistas brutais onde tirámos inúmeras fotos! E até teve direito a parte “deliciosa”, uma senhora impingiu-nos laranjas, mas laranjas mesmo boas! À saída do castelo voltámos a comprar mais laranjas à senhora, serviu para o “jantar” do último dia antes da ida para o aeroporto… E já que estávamos numa de turistas, parámos também em Kamiros Antigo, mais calhaus…, e umas quantas fotos a um sardão que vimos lá 😀 E continuação de regresso a Rhodes…

Chegámos a Rhodes já mesmo no final da tarde, tomámos um banho e fomos ver a cidade velha…, fiquei deslumbrado com aquilo! Sem exagero, se nos “perdermos” pelas ruas medievais dá mesmo para sentir como se estivéssemos a viver naquela época, dá mesmo para imaginar aquelas ruas estreitas cheias de gente, putos descalços, vendedores e afins! E aquilo mesmo ao final da tarde, mesmo naqueles últimos momentos de por do sol consegue ser um local extremamente romântico!  Perfeito para estar na companhia de alguém importante, e nem estou armado em lamechas, aquela merda é mesmo fenomenal!

A cumprimentar um velho amigo
A cumprimentar um velho amigo

Decidimos ir jantar num restaurante dentro das muralhas, e não é que começamos a ouvir Dulce Pontes? Sentir Portugal no fim do Mundo é mesmo porreiro, e imaginem as coincidências, os únicos dois clientes do restaurante (àquela hora) serem Portugueses e eles terem Dulce Pontes a dar como musica ambiente?

Ao sairmos da cidade velha, passámos novamente pela marina onde vimos barcos para Marmaris, na Turquia! Os nossos olhos brilharam totalmente! Oportunidade de ir à Turquia, finalmente pisar solo Asiático! (e praia :P)

Depois dessa noite, voltámos para o hotel onde estivemos na conversa umas quantas horas…, onde no meio de tanta merda algo se destacou…, a Ana perguntou-me se eu recebo pessoal em Aveiras em Couchsurfing…, a minha questão aqui é: “Para quê? Fazer um roteiro turístico pelas bombas da Área de Serviço da A1?” Enfim… 😡

Dia seguinte, e último dia 🙁 Acordar cedo, tentar descolar da cama, tomar pequeno almoço e encontrar um casal de tugas que nada nos disse, arrumar as malas, fazer checkout e correr para o porto! Chegada ao porto…, barcos para a Turquia todos esgotados! Lá se foi o imaginário…, improvisos de último minuto, decidimos ir a outra ilha num cruzeiro de um dia! 23 euros para um dia em Symi! Nada de praias nessa ilha 🙁 Mas portos brutais! O porto principal então, deu origem a muitas fotos mesmo, e mais uma vez…, aquele mar com tantos tons de azul…

Após a viagem por Symi, que não há muito a contar mas várias fotos a ver (quando eu as colocar online), regresso a Rhodes e tentar desfrutar um pouco mais da cidade antiga…, mais umas quantas fotos e queimar tempo até à hora de ir para o avião… 🙁 Como jantar, comemos as laranjas que comprámos no dia anterior junto ao outro castelo, depois de tanta coisa naquele dia, a fome nem apertou muito…, por fim…, ida para o aeroporto…

Beco na Cidade Velha
Beco na Cidade Velha

Para quem pensava que as aventuras acabavam ali, programei o GPS para ir para o aeroporto, defini o caminho mais rápido para lá…, aquilo meteu-me por um caminho alternativo qualquer e decidimos confiar…, demos (literalmente) a volta ao aeroporto…, andámos em caminhos que não lembra ao diabo e julgo que a determinada altura andei pelo meio de hortas…, mas lá chegámos ao aeroporto…, checkout do carro, check in das bagagens, passar pelo detector de metais…, esqueci-me de tirar o relógio (eish, esqueci-me de dizer que comprei um swatch :X ao fim de tantos anos sem relógio decidi investir num :x), e aquilo apita…, aviso logo que tenho relógio, volto a passar pela porta…, e tudo porreiro… Acontece o mesmo à Ana…, mas para não variar muito, ela voltou a ser toda apalpada pela segurança. Gajo nunca apalpa gajo, “tire o cinto, sff”, ou um “tem relógio?” e tá a andar, gaja é sempre apalpada! Deve constar nos requisitos mínimos para segurança feminino de aeroporto ter tendências lesbianas! E não é que aquilo é deveras interessante? Uma gaja a apalpar outra? A Ana teve a sorte de ser apalpada tanto de Atenas > Rodes, como de Rodes > Atenas, e ainda diz que é má sorte! Só se for para ela! Eu assisti a tudo! 😀

Bem, voltar ao trabalho…, próximo fim-de-semana é para andar de burro 😡


Gostou do artigo? Adicione-o ao Pinterest!

Rhodes, ilha de uma das Antigas Sete Maravilhas do Mundo

Couchsurfing em Trikala e visita aos Mosteiros de Meteóra

Mosteiros de Meteóra

Tanta coisa por contar que mal sei por onde começar, aliás, sei porque passei a viagem toda a escrever notas no meu bloco para não me esquecer de contar detalhe nenhum deste magnifico fim-de-semana!

Parece que nunca aprendo, quando fui a Thessaloniki apanhei o comboio da meia-noite e cheguei lá todo partido desta vez fiz a mesma coisa…, mesmo comboio mas com agravante, tive de trocar de comboio pelas 5:30 da matina…, por azar um velho sem reserva de lugar sentou-se ao meu lado logo no inicio da viagem (vendem bilhetes sem reserva de lugar, os comboios vão cheios de gente em pé) que deve ter colocado o repelente nele, mas repelente de pessoas tal não era o fedor…, roguei-lhe pragas por tudo quanto era lado…, aparentemente resultou pois quando foi ao WC outro gajo roubou-lhe o lugar! Resto da viagem mais tranquila! 😀

O comboio atrasou uma hora e meia, era suposto chegar pelas 4:00 à estação de transbordo (que não faço a mais pequena ideia do nome da estação mas também não me parece relevante), mas pelos vistos isto anda tudo sincronizado…, tive de ficar mais 50 minutos na outra estação à espera de um outro comboio para Trikala e mais coisas para contar… Já não me bastava o velho em parte da viagem, a sala de espera da estação também fedia a algo que felizmente nem consegui reconhecer…, e para ajudar à festa dois atrasados mentais começaram a fumar na sala de espera – o belo do respeito grego pelo próximo – mas vá lá, houve mais gente a sentir-se incomodada e eles lá tiveram de sair… Mas aqueles 50 minutos ainda foram mais longos do que isto, sala a feder, gajos a fumarem, esperar pelo comboio, estar cheio de sono, conforto? Nenhum! E ainda tivemos de gramar com um louco qualquer que estava a assobiar ao telefone, como se estivesse a gravar musica ou algo do género…, mais gente a reclamar e o senhor lá se justificou “estou ao telefone“, claro, porque é absolutamente normal estar a assobiar ao telefone às 5 da matina, aliás, é absolutamente normal estar a assobiar ao telefone sem haver mais qualquer tipo de diálogo…, deve ser algum dialecto que nunca ouvi falar…

Chegada a Trikala, a minha anfitriã foi simplesmente fenomenal! Foi-me buscar Às 6:30 ou 7:00 à estação de comboios, levou-me para casa dela para dormir uma pequena sesta antes de ir a Metéora e deixou-me de tal forma à vontade que quando acordei estava sozinho em casa! Esta confiança depositada nas pessoas é magnífica!

Voltei à estação de comboios para me dirigir a Kalambaka (cidade junto à zona de Meteora) e comprei os meus bilhetes de ida e volta, incrível como para uma viagem de ida e volta paguei 1,70€ e para tomar o pequeno almoço foram 4€…, viajar de comboio na Grécia é absurdamente barato! Ao chegar a Kalambaka a minha aventura mudou totalmente de rumo, inicio de um dos fins-de-semana mais fantásticos e fenomenais que alguma vez experienciei! Eu que pensava que já tinha visto um dos lugares mais fantásticos da Europa, e afinal ainda me consigo surpreender!

Para quem pensava que ia viajar sozinho novamente, decidi tentar abrir a mente e aumentar a probabilidade de divertimento. Assim que saí da estação de comboios fui ver se via alguma paragem de autocarros para os Mosteiros (ainda são uns quantos…), mas fiquei tão maravilhado com a paisagem que comecei logo a tirar umas fotos ao que me apercebo de um casal de Japoneses a fazerem o mesmo… Entretanto reparo que o taxista lhes está a sugerir a boleia e a informá-los que ou táxi ou a pé…, alí estávamos todos para o mesmo – Turistas! Como reparei que o Inglês deles não era do melhor, decidi oferecer-me para ajudá-los a falar com o taxista (como se eu percebesse muito do que eles dizem) e propus-lhes juntar-me a eles na viagem pelos Mosteiros, basicamente fui um colas com charme tuga 😀

Se eu pensava que tinha sido demasiado organizado no meu interrail, aquele casal então abusou…, até tinham mapa dos trajectos a pé entre os Mosteiros…, tinham tudo planeado ao segundo (não tenho paciência para contar as últimas semanas da vida deles, mas foi tudo planeado milimetricamente) e já tinham em mente ir até ao centro da vila para apanharem um taxi…, fui com eles. Taxi partilhado, viagem até ao primeiro Mosteiro (e único onde entrei a pagar),  Megalos Meteoros, aqueles monges viviam bem 😛 Paisagens brutais, ambiente bem acolhedor…, e em locais de bastante difícil acesso (na época eram mesmo inacessíveis, apenas por “cesto” e corda).

Um dos muitos Mosteiros de Meteóra
Um dos muitos Mosteiros de Meteóra

Aborrece-me estar a fazer upload de fotos para o blog, no entanto podem ver as fotos de Metéora no meu picasa enquanto elas não forem substituídas…, hoje adicionei mais 5 albuns, CS Meeting, Viagem a Egina, Ancient Korinthos, Mosteiros de Metéora e Trikala.

Andámos a passear pelas montanhas de mosteiro em mosteiro, mas não entrámos em nenhum pois é sempre a mesma treta lá dentro, foi mesmo para gozarmos daquela paisagem e ar puro. O dia foi todo a falar, falámos bastante das viagens deles, das minhas viagens, do que há para ver na Europa (eles estão numa Eurotrip versão flash), do que há para ver no Japão – Elma, se quiseres dicas já sabes a quem pedir 😛 – foi uma tarde bastante bem passada com um casal desconhecido! Não faltam fotos a comprovar isso 😛

O contacto com a Natureza é algo que me fascina imenso, e estar num local onde a diversidade é tão fantástica então deixa-me em estado criança, fartei-me de tirar fotos a duas águias que andavam a rondar-nos mas elas são tão rápidas que mal as conseguia focar…, ainda tentei algumas vezes e acho que só uma foto se aproveita 😡 Voltei a ver cabras da montanha, mas desta vez era ainda um grande rebanho! Isto mesmo junto a um dos Mosteiros, o último que fomos ver. Neste último Mosteiro acabei por entrar, queria apenas ir ao WC portanto deixaram-me entrar sem pagar…, o interessante é que o WC é na outra ponta do Mosteiro e do lado de fora do mesmo, tive de ir mesmo ao quintal do Mosteiro para ir ao wc 😡 Claro que uma vez lá, aproveitei para tirar fotos que nem um animal! A paisagem sobre Kalambaka é abismal e foi certamente o melhor spot que encontrei para tirar fotos sobre o vale todo!

Agora o que realmente me surpreendeu nos Japoneses…, por diversas vezes disse “amazing” ou “unbelievable” pois a paisagem de facto merece elogios destes…, ao que eles me ensinam como se diz isto em Japonês – Segoí (pelo menos foi assim que me soou), lá juntei mais uma palavra ao meu léxico Português – Japonês…, já conto com 4 palavras 😛 Para não me esquecer, saquei do PDA e escrevi a palavra no bloco de notas (estilo tinta), portanto parecia mesmo que estava a usar uma caneta para escrever num aparelho daqueles…, reparei que eles começaram a rir e perguntei-lhes o que se passava. Eles não sabiam o que é um PDA! Um casal do país da tecnologia não sabe o que é um PDA mas têm dinheiro para virem passear para a Europa? :O Fiquei totalmente abismado com aquela informação!

Depois do último Mosteiro, decidimos seguir por um trilho que indicava dar a Kalambaka, trilho bem estreito, inclinado mas bem porreiro! Divertimo-nos imenso até chegarmos a Kalambaka e estávamos tão satisfeitos com o dia pelos Mosteiros que nem nos sentíamos cansados…, ao chegar a Kalambaka os Japoneses foram a um supermercado atulharem-se em Ouzo para levarem de souvenir, mas não foram nada meigos…, tendo em conta a quantidade de garrafas…, depois disso fomos para a estação, já bastava de andanças e apesar de não nos sentirmos cansados não devia faltar muito para o corpo se ressentir (nem me consigo mexer aqui no escritório…).

Já na estação, eles perguntaram-me o que poderiam ver na Grécia e o que deveriam comer/provar tipíco cá…, eu como adoro tzatziki, foi logo a primeira recomendação, depois ainda lhes falei das saladas Gregas, das bebidas, de outras comidas e afins…, entretanto uma rapariga no banco ao lado apercebeu-se da conversa e perguntou se se podia juntar a nós (deve ter sido o dia em que tive mais momentos expontâneos de sociabilização dos últimos meses :P), Austríaca 😀 Grupo totalmente internacional 😛 Em conversa calhou a compararmos os livros de turismo de ambos…, a Austríaca apenas tinha um livro inteiramente dedicado à Grécia que curiosamente ainda conseguia ser maior do que o livro dos Japoneses dedicado à Europa Toda!!! Deu para rir bastante, ainda tirei duas fotos à secção de Portugal no livro deles, agora já sei como se escreve Portugal em Japonês 😀 Depois disso, viagem de comboio…, eu só uma estação enquanto eles voltaram para Atenas.

Metéora com casal Japonês
Metéora com casal Japonês

Já agora…, para a Elma não me espancar (está farta de reclamar comigo que este post vai ser uma seca), aqui fica uma foto que mostra o casal de Japoneses 🙂 Não é uma foto fantástica, mas não quero dar cabo da surpresa 😛 Vão ver o picasa 🙂

Quanto à noite, foi mais tranquila, Trikala tem uma vida nocturna bastante porreira e adorei o bar onde estivemos, algo estilo tapas em que nos iam dando batatas, legumes (pepino, cenoura, azeitonas e afins), mini-tostas-mistas e molho e afins enquanto íamos bebendo as nossas cervejas. Fiz couchsurfing em Trikala, mas a parte engraçada é que estive com amigos do meu colega de casa, como o mundo é pequeno! Diverti-me imenso nessa noite, mas estava tão estafado que não aguentei muito mais do que a 1:30…

No dia seguinte acordei em fase de total anhanço, não dava para muito…, mas a minha host acabou por insistir para eu saír de casa, para aproveitar a cidade. Para ser sincero, não tinha expectativas nenhumas quanto à cidade, mas acabou por se revelar uma cidade bastante interessante para ver. Tentei (e consegui) perder-me pelo meio da cidade, andei na parte velha a tirar bastantes fotos (uma delas que vim a saber que é uma perspectiva bastante conhecida de Trikala), fui ao castelo e depois decidi ir almoçar a casa da minha host, ela convidou-me 😛 Não sou assim tão penetra 😛

A tarde revelou-se ainda mais fantástica, ela levou-me a uma zona perto de Trikala, Pyli, disto é que não contava mesmo! Fiz a viagem a contar com Metéora, estava mentalizado para ver paisagens fantásticas mas era só…, não esperava ver o que vi naquela zona! Segundo a história que ela me contou, aquele vale há muitos milhares de anos foi um lago gigante que se “rompeu” naquela zona.

Pyli
Pyli

A cadeia montanhosa faz um rasgo de tal forma brutal ali que eu fiquei sem falar uns bons segundos a observar aquela paisagem, imaginem o que é uma planicíe enorme e depois uma montanha elevar-se com uma agressividade parva e a uma altura bastante considerável, sem haver qualquer tipo de relevo progressivo até lá, e no meio dessa cadeia haver um vale em V que vem mesmo até ao nível da planície. Não consigo descrever melhor que isto, e pior ainda é que fiquei tão parvo com aquela paisagem que nem tirei fotos à cadeia montanhosa à distância, apenas quando cheguei lá.

Aqui fica uma foto já dentro do vale, não dá para ter noção da grandiosidade daquele vale, ficam apenas com a minha palavra de que é algo mesmo fantástico! A voltar com amigos um dia, certamente!

Após isso, rumo a Atenas novamente 🙁 Assim que chego à estação de comboios apercebo-me que deixei a minha toalha de banho em casa da minha host…, já comecei a deixar “rastos” por onde ando a passar 😛 Um pouco de cheiro a Gil 😛

A parte realmente porreira neste fim-de-semana todo foi a previsão meteorológica, era suposto chover bastante na zona de Trikala Sábado e Domingo…, mas como dá para ver pelas fotos foram dois dias fantástico, o Sábado então estava com o céu totalmente azul! No entanto…, quando cheguei à estação de comboios começou a chover 🙂

Pela primeira vez fiz a viagem de comboio do centro da Grécia durante parte do dia, as outras vezes foi sempre de noite e nunca tive a noção do que andava a perder…, é uma zona realmente fenomenal para se fazer um interrail também, o comboio passa por zonas totalmente selvagens e a linha chega a andar mesmo à beira de penhascos com uma paisagem brutal! O comboio mesmo no topo da serra e a vermos tudo o que está à volta, só mesmo fazendo esta viagem para ver!

No meio de tanto texto, acho que deu para perceber que este fim-de-semana foi realmente inesquecível…, espero que venham mais assim 🙂 Definitivamente, Grécia é bem mais do que ilhas!


Gostou do artigo? Adicione-o ao Pinterest!

Couchsurfing em Trikala e visita aos Mosteiros de Meteóra

GuardarGuardar

Curiosidades sobre a Grécia

Some random facts about Greece

Acho que vou ter um ataque de diabetes em breve, estas tradições andam a dar cabo de mim! Aqui na Grécia é tradição dar doces aos amigos/colegas de trabalho quando alguém faz anos, nada de estranho para nós pois se não fazemos o mesmo, fazemos parecido…, e quando não oferecemos nada há sempre um ou dois amigos mais chulos que nos obrigam a pagar algumas cervejas num bar qualquer (e de preferência caro :P) Pois bem, nos últimos dois dias já apanhei 3 aniversários, ou seja, já vou no terceiro docinho matinal 😡

Outra tradição cá, que fiquei agora a saber, diz respeito à compra de um carro novo, quando alguém compra um carro também é tradição dar doces aos amigos/colegas de trabalho, imaginem lá o que tenho aqui entre o teclado e a minha barriga? Ah pois é, o que resta do docinho matinal 😀 hoje já vão dois…

Crystal clear waters in Skiathos
Águas cristalinas em Skiathos

Quanto à história dos aniversários, isso é algo que ainda não percebi muito bem como funciona, segundo alguns livros turísticos os Gregos apenas comemoram o seu aniversário até aos 12 anos, mas aqui já assisti a alguns aniversários…, tanto que ontem foram dois doces 😡 E teoricamente, após o 12º aniversário comemoram apenas o “Name Day“, quase todos os nomes Gregos são baseados no nome de um Santo qualquer (que tem um dia atribuído), e no dia desse Santo comemoram algo como o aniversário…, curiosamente, enquanto escrevia este parágrafo apareceu aqui outro gajo com doces LOL! Perguntei-lhe se era o aniversário dele, e a resposta foi “Name Day“, vou mesmo sair daqui com diabetes 😡 Cheira-me que isto já é desculpa para comerem doces por tudo e por nada…

Mais coisas giras quanto à Grécia, tirando a parte da sua história que é tão complexa e interessante, há coisas bem estranhas no seu presente que já vêm desde há quase 2000 anos…, o Monte Athos que eu tenho a ambição de ainda o visitar…, mas não neste estágio. Reparem para onde aponta o link quanto ao Monte Athos, aquela península é “independente” há quase 2000 anos, sobreviveu às guerras, aos impérios e aos Governos…, tudo porque é uma península governada pela igreja! Tal como o Vaticano, mas aqui numas dimensões um bocado…, gigantes…

Reparem no absurdo da coisa e do quão a mentalidade é fechada, é uma península vedada a mulheres e a animais domésticos do sexo feminino, repito, é PROIBIDA a entrada a mulheres naquela península! Como raio é que estamos no século XXI com coisas deste género? E pelo que vejo nas imagens, é algo de uma beleza rara…, pelo menos mantém o “ambiente selvagem” da península e não deixam que se torne em mais um roteiro turístico cheio de hotéis e afins…

Interrupção de última hora -> Acabei de receber outro doce LOL! Já vou para o terceiro hoje, se é que não me enganei nas contas 😡 Este agora é de aniversário 😛

Continuando com as curiosidades Gregas…

Outra zona protegida é a ilha Hydra, que um dia ainda vou visitar se é que não voltar a ter azar com a porcaria dos bilhetes do barco…, uma ilha vedada a todos os veículos motorizados e com um plano urbanizacional bastante restrito, tudo o que é construído lá terá de respeitar a arquitectura típica da ilha! Os gregos podem ter muitos defeitos, mas até pensam como deve de ser em alguns casos…

Monemvasía é outro caso destes, uma vila que eu pretendo aproveitar num fim-de-semana prolongado em Junho, é uma vila medieval em que o acesso também está vedado a veículos motorizados, isto tudo para manter o estado da vila/ilhéu!

Em contrapartida temos o que eles fizeram em Atenas…, entre o templo de Zeus e um bairro tradicional de Atenas, Plaka, cuja história e mitologia se misturam, criaram uma avenida bastante movimentada…, ou seja, separaram o templo do resto da zona histórica, quem o quiser visitar terá de atravessar uma avenida bastante movimentada…, este é o problema do “progresso” quando não pensam no que vão a fazer.

Este fim-de-semana vou tentar ir a Metéora, tinha outros planos mas se calhar vou mesmo a Metéora, vou tentar reservar um quarto ainda hoje (primeiro vou ver se arranjo bilhetes de comboio) e acho que finalmente é desta que vou lá. Esta zona, segundo toda a gente me diz, é de cortar a respiração…, quem viu o filme 300 provavelmente lembra-se do Mosteiro que estava numa escarpa…, estes mosteiros existem e estão em Metéora!

Outro facto curioso é a precisão em que os antigos faziam as coisas, existem 3 templos que formam um triângulo perfeito e estão ainda a uma distância considerável, estando um deles numa ilha…, como raio é que aqueles gajos calcularam isto apenas com base em estrelas? Já visitei estes 3 templos, Parthenon, Templo de Poseidon em Sounio e Templo de Atena em Egina (a primeira, e até agora única, ilha que já visitei na Grécia).

Acho que já basta de curiosidades, venham mas é visitar a Grécia 🙂 Apesar de eles não estimarem muito bem o turismo, até têm umas coisas bem engraçadas para verem 🙂

 

GuardarGuardar

GuardarGuardar

Passar a Páscoa na Grécia

Passar a Páscoa na Grécia

Πάσχα quer dizer Páscoa em Grego, lê-se algo como Pás-Ha ou algo parecido, e é o evento mais importante para os Gregos no ano todo, talvez o equivalente ao nosso Natal.

Como devem ter reparado pelo post anterior, a minha Páscoa não correu como previsto e parece que foi algo tipo Karma…, quase tudo me correu mal neste fim-de-semana, ora vejamos…

Primeiro o incidente com Istambul, depois decidi passar o fim-de-semana numa cidade perto de Atenas em casa de um Francês que conheci pelo couchsurfing, por sorte (dele) o patrão dele deu-lhe 1 semana de férias pela Páscoa e por mais sorte (dele) e azar meu encontrou um bilhete em última hora para ir para França passar uma semana de férias…, outro plano furado…

No Sábado decidi ir ver de bilhetes de barco para Hydra, mas para não variar muito…, só havia bilhetes para ir mas tudo cheio para voltar…, mas digamos que a experiência até foi gira, ainda não me habituei à linguagem gestual dos gregos e por vezes passo por situações embaraçosas…, o gesto que representa um não é diferente do nosso, em vez do tradicional abanar da cabeça fazem algo como um gesto preciso mas não muito rápido com a cabeça de baixo para cima, algo como nós fazemos para dizer “é ali“…, e foi isso que entendi (e acontece-me quase sempre). Quando perguntei se tinham bilhetes de ida e volta para Hydra a resposta foi um não gestual Grego, que eu interpretei como “é ali“, achei estranho pois sabia que aquele balcão é o de vendas para Hydra mas podiam ter mudado, olho para trás para ver para onde ela indicava e perguntei Where? E aí é que ela me diz que já está tudo cheio, foi nesse preciso momento que me apercebi da figura de estúpido que fiz 😡

Depois pensei em ir a Korinthos, já tinha planeado ir lá num fim-de-semana passado  mas “perdemo-nos”, mas desta vez consegui lá chegar 😀 Fui de comboio e depois apanhei um taxi até à zona dos calhaus, é curioso como as fotos funcionam…, paisagens da treta parecem sempre fenomenais, paisagens que nós ficamos totalmente deslumbrados ficam sempre banais e até dá pena mostrar a amigos e dizer aquela merda é surreal e eles olharem com um ar de indiferença…, pois…, Korinthos é giro…, é porreiro…, mas não é fenomenal. Não perdi o dia, não desperdicei dinheiro, mas fui com expectativas demasiado altas para o que vi, mas foi giro.

Quanto à viagem em si…, bem, nos últimos dias tenho andado a pensar em projectos de vida e num momento de loucura pensei:

Já visitei 10 capitais, já estive em 12 países (se contarmos com uma escala de duas horas em Zürich fazem 13 países), que tal ter como objectivo de vida visitar todas as capitais do Mundo?

Este momento de loucura durou ainda umas horas…, ontem quando estava em Old Korinthos decidi voltar a pé para a estação de comboios, 6kms a pé, e pensei nisto novamente…, e fiz umas pequenas estatísticas…, se eu visitar em média 10 capitais por ano eu vou demorar cerca de 18 anos e meio a visitar os cerca de 197 países…, se tenho 26 anos, lá para os 50 já vi as capitais todas, mas com um bocado de sorte já tudo mudou novamente…, mas eu nunca vou visitar 10 capitais por ano, iria precisar de viver até aos 80 ou 90 anos para poder ver as capitais todas, e a meu ver isso já é tempo de vida a mais.

Ruínas em Corintos Antigo
Ruínas em Corintos Antigo

Durante aqueles 6kms a pé (que poderiam ser muitos mais, mas que já conto mais à frente), fiquei a pensar nesta merda, viver tanto tempo? Mas quero lá eu viver tanto tempo?

Quase todos os jovens já pensaram pelo menos uma vez em suícidio, uns naqueles momentos dramáticos em que pensam que o mundo está todo contra eles porque a tshirt favorita ficou manchada de ketchup, outros porque de facto têm alguns motivos para estarem deprimidos. Ora bem, eu estou a viver um período dramático de ketchup na tshirt, e como gosto de ser diferente pensei na forma indicada para suicídio…

  • Meter-me na droga e apanhar uma overdose? Népia, eu quero algo com mais glamour.
  • Corda no pescoço, atirar para baixo de um comboio, veneno e afins e sempre acompanhado de nota? Também não, é demasiado batido…, não quero algo já tradicional no mundo dos suicidas…
  • Começar a fumar 2 maços de tabaco por dia até me lixar todo? Demasiada gente nas estatísticas, quero algo original.

Como sou um gajo que gosta de fazer coisas um bocado mais além, acho que vou levar a sério a ideia do viajar pelas capitais todas do mundo, mas vou adicionar um critério, vou tentar fazer isto mas fazendo couchsurfing sempre que possível 😀 Tantos amigos meus que acham isto perigoso, ora, sempre é uma forma original de suicídio 😀 E enquanto ia a pé durante aqueles 6kms, também pensei, e porque não ser mais amigo do ambiente e tentar fazer hitch-hiking? Sempre é menos um carro a poluir 😀 E o risco aumenta (e o interesse também) 😀

Agora a sério, pensar em suicídio é um desperdício de tempo, e não vos quero privar do prazer de terem um amigo com a minha beleza 😛 Mas ando a equacionar mesmo a sério em usar as minhas férias para me divertir pelo mundo, nada de demasiado pensado mas tentar fazer as coisas com o maior divertimento possível! Gosto demasiado de viver para me fechar 12 meses por ano num só país 😉

Ahhh, e quase que me esquecia…, quanto aos  6kms…, ainda equacionei ir visitar a Acro-Korinthos, é um castelo (ou algo do género) no topo da montanha a 4kms da Old Korinthos, e pensei em fazer isso a pé…, mas olhei tantas vezes para o topo da montanha que pensei “são 17:00, aquela treta é sempre a subir…, vou chegar todo roto lá acima…, e depois tenho de voltar? 4kms para cima e depois 4+6 para baixo? Naaaaa” e desisti da ideia 😡 Tenho tempo para ver mais paisagens deslumbrantes na Grécia 😛 Deixem-me conservar esta barriguinha sexy mais um pouquinho 😛


Gostou do artigo? Adicione-o ao Pinterest!

Passar a Páscoa na Grécia

Conhecer Atenas à noite

Conhecer Atenas à noite

Ao fim de 2 meses em Atenas, finalmente fui ver Atenas à noite (Acropolis), aquelas rochas que vêem na segunda imagem foi ontem estive ontem, o resto do recinto está vedado por ser zona arqueológica.

A primeira vez (e única) que fui à Acropolis foi com a Carina (C12 em Atenas), vi uma cidade que me fascinou mas uma cidade feia…, demasiado betão e pouco verde, desta vez fui com o pessoal do couchsurfing e tive direito a uma visita guiada algo especial. Atenas não é uma cidade, são duas, uma que vive de dia no meio do caos, confusão, barulho, poluição e uma Atenas tranquila, magnífica e deslumbrante que vive durante a noite mas só possível de desfrutar da rocha da Acropolis! Algo simplesmente fenomenal, local excelente para levar alguém à noite 😀

Desde de contos mitológicos a explicarem como supostamente a zona antiga da Grécia foi “criada” pelos deuses, a contos mais recentes da era romana e de politiquices absurdas passando por decisões ainda mais absurdas dos dias de hoje foi uma noite onde aprendi bastante sobre a cidade onde estou agora a trabalhar/viver.

Após um dia com alguma chuva que me arruinou com uma ida à minha primeira ilha, a noite compensou bastante! E só de pensar que estava reticente em me juntar ao grupo, não esperava apanhar nada de novo…, pelos vistos estava enganado e ainda me diverti bastante!

Falando em chuva.., hoje está um daqueles dias que eu adoro, chuva! Mas bem que podia chover quando estou dentro de casa, molhar-me todo não dá com nada 😛

PS: Adicionei uma nova tab no meu blog com uma lista de viagens a concretizar nesta vida.


Gostou do artigo? Adicione-o ao Pinterest!

Conhecer Atenas à noite

Fim-de-semana em Thessaloniki

Fim-de-semana em Thessaloniki

Hoje estou com falta de originalidade para títulos para artigos, como se os anteriores fossem muito originais, devido ao meu estado actual…

Primeiro fim-de-semana sozinho, visto que ia sozinho decidi que iria mesmo fazer couchsurfing, algo que tanto gosto e já tanto divulguei neste blog. Pedi sofá a várias pessoas, mas tive a sorte brutal de a primeira resposta positiva ser de 4 raparigas que vivem juntas…, e que curiosamente tinham uma festa programada para a noite que eu queria passar em casa delas.

Quem tem medo, compra um cão! Vi o perfil delas, li os feedbacks que lhes deixaram (apesar de serem poucos) e fiz o pedido! Atirei-me de cabeça, mais uma vez, numa aventura com desconhecidos que me valeu a melhor noite (e fim-de-semana) que tive até agora na Grécia! Mas vamos lá começar do inicio…

Decidi ir a Thessaloniki, contei ao meu colega de casa que ia a Thessaloniki e de imediato ele recomendou-me a apanhar o último comboio, cerca de 7 horas de viagem, para aproveitar a cidade ao máximo…, assim fiz, comprei um bilhete de ida e volta por 24,10€ para Thessaloniki, a cerca de 500kms de Atenas…

Arrumar as coisas, preparar-me para ir para a estação de comboios, a pé, e deparar-me com uma estação CHEIA de gente para apanhar aquele mesmo comboio…, curiosamente senti-me logo mais seguro naquele momento, viajar num comboio cheio de gente inspira-me mais confiança, no entanto…, aquela gente para se calar também é um bocado mais complicado, a pensar que ia conseguir dormir “bem” durante a noite e eram 2 da matina e ainda ouvia pessoal a falar ALTO…, mas depois vinguei-me bem…, acordei umas quantas vezes com o meu próprio ressonar, espero bem ter acordado muitos mais! 😀

Chegada a Thessaloniki…, impacto negativo, obras! Obras por todo o lado junto à estação! Fui para lá sem mapa, até o meu guia de turista deixei em Atenas, tinha apenas uma ideia para onde me dirigir e assim fiz, segui o meu feeling e evitei usar o GPS lá, tem mais piada conhecermos uma cidade quando nos perdemos nela!

Algures no meio de Salónica
Algures no meio de Salónica

Facilmente encontrei a marginal, andei vários quilómetros pela marginal, lentamente para desfrutar bem da paisagem à minha volta e daqueles pedaços de cidade. Fiquei com a sensação de que estava novamente numa cidade da Europa, ruas organizadas, passeios arranjados e largos, espaços verdes, zonas para pedestres com fartura e…, tudo limpo! Tudo o que Atenas não tem! As vezes em que me sentia mais perdido, era fácil localizar-me, chegava a uma paragem de autocarros e via o mapa que cada paragem tem…, isso existe em Atenas? Nãooooo, e é a capital…

Andei, andei, andei até que achei que já tinha andado demais, aí decidi usar o GPS e ver onde estava o centro da cidade…, ao que reparo que já tinha atravessado a cidade toda (pela marginal) e já estava num subúrbio! Voltar para trás, mas desta vez longe da marginal, altura de me perder a sério dentro das ruelas da cidade!

Até às 15:00 andei sozinho, não quis incomodar as minhas anfitriãs pois tinha consciência da preparação da festa, fiz várias paragens para beber café, ler (li bastante durante este fim-de-semana), almoçar (a famosa boa comida de Thessaloniki), enfim…, aproveitar os momentos sozinho, que por vezes sabem mesmo bem! Até fui ver dois museus 😀 Já fiz mais num dia em Thessaloniki do que em 11 meses em Dresden 😡

Chegada a casa das minhas anfitriãs, fantásticas! Preparação para a festa…, MUITA… Prognósticos para a festa…, EXCELENTE! (e foi) Passei o resto da tarde com elas, ajudei-as no que pude e tirei bastantes fotos lá 😛 Ver os outros trabalhar não é para qualquer um 😛 Pelas 17:30 tive de tirar uma soneca…, estava mesmo estafado…, pena o café não me ter deixado pregar olho durante aquele tempo todo….

Conheci outros dois couchsurfers que ficaram naquela casa também, um Americano que fala Português (e mais uns 300 idiomas) e um Francês que não larga a pronuncia francesa por nada deste mundo, até a falar grego se nota a entoação 😛 Mas para Francês, o gajo é bastante porreiro!

Hora da festa…, da GRANDE festa…, disseram-nos que esperavam cerca de 100 pessoas, o que é certo é que é provável que tenham sido mesmo cerca de 100 pessoas naquele apartamento! Festa multi-cultural, internacional, de amigos, de couchsurfing, de penetras (cof cof), sei lá do quê mais! Encontrei 2 brasileiros, 1 grego que fala BEM Português e dois alemães que falam também bem Português! Não era suposto termos um dos idiomas mais complicados? Como raio encontrei 4 estrangeiros a falarem Português? :O

Naquela noite tentei falar de tudo, adorei voltar a falar alemão! É daquelas coisas que me dá mesmo muito gosto fazer, principalmente com pessoal que não se ri dos meus erros, não se arma em arrogante quando mando calinadas, mas sim pessoal que está para se divertir e que sente um orgulho enorme em ver um estrangeiro tentar falar na língua deles! Acho que finalmente me apercebi que isto não é um Erasmus dois! Claro que Inglês foi a minha língua materna naquela festa, mas até Grego tentei falar 😛 Espanhol, Francês (nem sabia que ainda me lembrava de Francês), Inglês, Alemão e Grego…, a certa altura já dizia (não em Alemão-informal) quando queria dizer né (sim em Grego) numa conversa em Alemão…, bem, não vale a pena continuar a descrever isto, só tem piada para quem viveu aquilo 🙂

Festa privada em Salónica
Festa privada em Salónica

Para quem mal dormiu, pensei que às 2 da manhã estava K.O., eram 4 ou 5 da matina (com a hora nova já nem faço ideia) quando a Policia apareceu para acabar com a festa…, as minhas 4 anfitriãs tiveram de ir para a esquadra e dentro de uns 2 ou 3 anos têm de ir a tribunal…, segunda queixa por barulho…, também com 2 pisos CHEIOS de gente num prédio com mais habitantes…, mas nós continuámos a festa com o pessoal mais próximo das donas da casa…, não durou foi muito mais tempo…

Domingo, acordar cedo e ir conhecer mais coisas da cidade com o Francês, o gajo foi a Thessaloniki apenas para a festa 😛 Convinha dar uma de turista para disfarçar 😛 Ainda foram umas 2 ou 3 horas a passearmos pela cidade, deu para falar bastante e provavelmente até vamos começar a combinar algumas viagens em conjunto, estamos ambos para o mesmo, aproveitar a Grécia ao máximo!

Para os mais distraídos…, a hora mudou na noite de Sábado para Domingo…, pois meus caros…, se por algum motivo vocês sabem que a hora muda nessa noite e por acaso estão BASTANTE cansados, beberam algumas cervejas e algum vodca…, não mudem a hora do telemóvel…, por vezes o telemóvel muda sozinho…, eu nem sequer pensei qual seria a nova hora, curiosamente o Francês fez o mesmo disparate mas de uma forma mais cómica…, por sorte somos pessoas responsáveis e vamos uma hora mais cedo para a estação de comboios 😛 Durante a noite, eu olho para o telemóvel e vejo que mudou a hora automaticamente, e comentei com ele isso, o gajo olha para o dele e diz-me o mesmo e eu vejo menos uma hora que no meu…, fiquei baralhado e perguntei-lhe se tinha a certeza, ele garantiu-me que a hora tinha mudado para as 3 em vez de ser para as 4…, lá eu alterei o meu telemóvel de bem para errado 😡 Estivemos o dia todo com a hora errada na cabeça e a passearmos descontraidamente…, ao que ele se lembra de ir uma hora mais cedo para a estação para comermos alguma coisa lá. Ele vai ao WC e eu enquanto espero meto-me a olhar para os paineis dos comboios ao que noto um aviso de saída às 16:33 de um comboio para Atenas, segundo os nossos telemóveis ainda eram 15:30, olhei para o relógio da estação e também indicava 16:30…, Que raio? Mas eles não actualizaram a hora? Pensei eu, assim que o Francês saiu do WC disse-lhe aquilo e fomos logo ao balcão de informações perguntar, a senhora só nos diz “now now, is departing now” e fomos a correr para a plataforma, ele apanhou o comboio mesmo no último minuto!

Como o meu comboio foi só às 22:59, tive bastante mais tempo para passear, mas sempre em mente que a estação de comboios não tinha mudado a hora e a sentir-me um sortudo por ter ido à estação acompanhar o gajo, se não tivesse feito isso a esta hora estava a teclar de Thessaloniki…, continuei a passear pela cidade, ler mais um bocado, fazer tempo, comer um crepe salgado, passear mais um bocado…, e telefonar para as minhas anfitriãs para elas darem indicações ao taxista sobre como chegar a casa delas. Os taxis em Thessaloniki são um azul oceano, bem porreiros!

Ruinas de Anfiteatro em Salónica
Ruinas de Anfiteatro em Salónica

Voltei a casa delas e contei a situação estranha da estação de comboios não ter mudado as horas…, ao que elas me mostram a hora actual…, afinal a situação não foi estranha, nós é que fizemos uma borrada todo o tamanho e foi com muita sorte que nos safámos 😛

Saída de casa delas, até lanche e sumo me deram para a viagem, vou para a estação de comboios e entro no comboio que me iria conduzir nas próximas 7 horas…, acabei de ler o último livro do Harry Potter na viagem (tenho de arranjar outro livro para ler agora) e estava tão desconfortável que não consegui dormir nada de jeito…, chego a Atenas às 5:40 e entro em casa pelas 6:00…, esperar que a caldeira aquecesse a água e banhoca! 2 horas de sono e agora no trabalho, so far…, so good 😛 Ainda consigo escrever este post 😀

Moral da história 1) Não brincar com as definições do telemóvel durante uma festa

Moral da história 2) CONTINUAR a usar o Couchsurfing! 😀

PS: Tirei mais de 300 fotos só num fim-de-semana 😡 200 delas foram só no Sábado 😀


Gostou do artigo? Adicione-o ao Pinterest!

Fim-de-semana em Thessaloniki

Será boa ideia visitar o Cabo Sounio num feriado?

Visita ao Cabo Sounio

Este é o Dia da Independência Grega, portanto…, feriado cá 🙂

Curiosamente, este dia também marca o meu primeiro dia de viagens solitárias na Grécia, hoje fui ao Cabo Sounio 🙂 E acho que é altura para dizer…, burro não é aquele que não sabe, é aquele que não quer aprender, e após o dia de hoje…, declaro-me oficialmente como burro. Depois da viagem a Delfi, que nem olhámos para o horário de funcionamento da coisa com olhos de ver…, voltei a cometer o mesmo erro e nem reparei que a entrada para as ruínas de Sounio está fechada neste dia…, só está fechado 3 ou 4 dias por ano, Páscoa, Natal, outra coisa qualquer e Dia da Independência Grega…, e eu acerto logo com o dia…

Parte positiva, a entrada eram 4€, assim poupei uns trocos para ver mais calhaus…, e a paisagem circundante é algo de estupendo! Tirei várias fotos no Cabo, ainda fui ao mar para ver se me molhava todo…, mas fui mais rápido que as ondas (mas também não lhe cheguei a tocar…) e voltei a ficar surpreendido com a minha visão, começo a acreditar que nasci em Namek ou algo do género…, como raio consegui localizar uma perdiz no meio de uma encosta apenas pelo som dela? O bicho é da cor da rocha onde ela estava!!! Felizmente a minha máquina ainda é melhor que a minha vista, e deu para tirar uma foto em detalhe do animal 😀

A viagem vale por tudo, não só pela hora e meia que estive lá, mas também pelas duas horas de viagem para cada lado…, a paisagem até lá abaixo é fenomenal e cada vez mais acredito que de facto não há nada como o Mar da Grécia, é estupendo!

Cabo Sounio
Cabo Sounio, com vista para o Templo de Poseidon

Falando em viagens…, acabei de comprar o bilhete de comboio para a minha próxima viagem, Θεσσαλονίκη neste fim-de-semana, vejam no mapa a distância entre Atenas e Thessaloniki e imaginem quanto não me custou o bilhete de comboio de ida e volta…, 24,10€!!! Quando o gajo me pediu aquele valor pensei que era para cada um dos lados…, dei-lhe 50€ e esperei pelo troco…, ele pede-me 10 centimos (nem percebi bem, mas dei-lhe) e quando vejo de troco 26€ até fiquei azul! TÃO POUCO????

Vai ser viagem nocturna para cada um dos lados, a cidade é longe portanto há que aproveitar bem o fim-de-semana…, descanso durante a semana 😛 Portanto, se algum dos tugas de Atenas está a ler isto, não esperem voltar a ver-me durante a semana, há que recuperar energias 😛 Deitar cedinho todos os dias a partir de agora 😀

Ahh, e esta viagem também vai ser solitária…, portando decidi recorrer ao Couchsurfing (o que já tinha saudades disto!), não por motivos financeiros mas porque viajar sozinho não é tarefa fácil e o Couchsurfing é uma ferramenta impecável para quem gosta de comunicar, e quem me vai alojar já me disse que vou participar numa festa 😀 Portanto…, se eu não der resposta na próxima semana, é porque algo correu mal 😡


Gostou do artigo? Adicione-o ao Pinterest!

Será boa ideia visitar o Cabo Sounio num feriado?

GuardarGuardar

Viagem pelo Golfo de Corintos e Golfo de Argos

Viagem pelo Golfo de Corintos e Golfo de Argos

Este fim-de-semana não foi propriamente como planeado…, mudança de planos de última hora igual a imprevistos “previstos”…

O plano de última hora foi simples, Delfos no Sábado e Corintos (e zona circundante) no Domingo, o resultado foi algo diferente…, de facto fomos ter a Delfos, viagem porreira até lá com algumas fotos pelo caminho…, perdermos-nos no meio da montanha “propositadamente”, lá decidimos contrariar o GPS e seguir uma placa a dizer zona histórica ou que raio era que nunca chegámos a encontrar…, e depois chegada a Delfos pelas 13:00, salvo erro, andámos um bocado por lá e depois fomos almoçar num restaurante com uma vista magnifica sobre uma planície com vista para o Mar de Corintos…, comemos à “grego”, só entradas e petiscos que nos resultaram de uma conta ligeiramente acima do planeado…, mas nada de extraordinário, a vista valeu pelo preço!

Depois decidimos ir ter à zona histórica de Delfos, algo supostamente brutal, pena de Novembro a Março fechar às 15:00 horas e nós termos chegado às 14:55…, fica para a próxima…, que se decidiu depois? Toca a fazer uma roadtrip até Pátra e voltar para trás! Volta completa ao Golfo de Corintos!

Nesta pequena roadtrip de apenas um dia tirei apenas 108 fotos…, irei fazer upload delas para o meu picasa um dia destes mas aviso já que as fotos não fazem jus à paisagem…, só mesmo estando lá! Uma viagem indescritível através de um quadro cheio de contrastes entre mar, planície, montanhas e neve! Algo como nunca imaginei ver na vida, estar num ponto alto com planície abaixo de mim, conseguir ver o mar e do outro lado do mar ver montanhas com neve, fantástico!

Vale em Delfos
Vale em Delfos, com neve nas montanhas do outro lado do canal

Igualmente fantástica é a condução dos gregos, aparentemente quem está dentro de uma rotunda NÃO tem prioridade…, aparentemente as linhas numa estrada não são separador de faixas mas sim indicador de onde devem andar, pelo menos é a única explicação para ver constantemente pessoal a andar na berma, fazerem duas faixas no espaço de apenas uma faixa e ser absolutamente normal, e quando conduzimos à Português (gostava de pensar que é à Europeu) ainda levamos com businadela porque vamos numa faixa para um carro quando, aparentemente, deveriam caber dois…, genial!

Devo admitir que inicialmente tive medo, não pelos gregos mas porque a Ana também conduziu 😡 Mas ela até se safa, conduz um pouco melhor que os gregos 😡 O caricato, é que uma pessoa acha estranho e pensa “como raio estes gajos não batem?” mas basta pensar que todos conduzem assim, seguem um padrão como nós, apenas um padrão diferente do nosso. Bastou começarmos a seguir o padrão deles que as coisas fluíram naturalmente, ultrapassagens onde está traço continuo, mas sem pisar o traço porque o outro se chega para a berma sem se sentir ofendido, ultrapassagens pela berma porque o outro está na “outra parte da estrada”, algo fora de normal…, para um Português…

Ainda tivemos um pequeno “imprevisto”, parámos numa berma para eu tirar umas fotos, quando estou a voltar para o carro vejo outro carro a parar atrás do nosso e um gajo a sair direito ao nosso carro…, acelero o passo para o carro, achei suspeita aquela abordagem e decidi não dar conversa, os gajos tinham um bocado de mau aspecto e nós só éramos dois…, tranquei as portas do carro e arranquei com o gajo a chegar à minha janela, a Ana com aquele dote fenomenal de ter conversas paralelas enquanto está ao telemóvel ainda gritou “arranca, arranca” mas sem nunca desligar o telemóvel 😀 Fantástico, para quem nunca ouve o telemóvel, sente um grande afecto pelo aparelho quando está em contacto com ele 😛

Após a longa viagem, lá voltámos para Atenas para pernoitar (não arranjámos hotel para aquela noite)…, no dia seguinte eu acordo quase curado, a Ana acorda doente…, solidariedade?

Viagem um pouco mais planeada, pelo google Earth 😛 Lá nos decidimos a uma volta mais curta, pela zona do Golfo de Argos começando pelo Canal de Corintos, algo ridiculamente estreito, pequeno mas bastante importante! Tirei algumas fotos, é fenomenal! Do ponto onde estávamos deu para ver ambos os lados, deu para ter a noção do quão estreita é a ligação do Peloponeso ao resto do continente Grego…

Canal de Corintos
Canal de Corintos

Planos para vermos a Antiga Corintos, mas lá tivemos as voltas trocadas, desta vez por algum erro do mapa do GPS…, acabámos por continuar a viagem e fazer skip a esse monte de rochas…, vimos os calhaus em Nemeia (a wikipedia não tem informação de jeito sobre esta vila), algumas colunas e um esqueleto…, um “pseudo-estádio” e mais umas quantas fotos…, depois seguimos para Mycenae para vermos mais calhaus e mais paisagens fenomenais! Até vimos cabras da montanha, autêntica BBC vida selvagem, nunca esperei ver cabras da montanha na Grécia, mesmo na beira de um precipício! Fantástico! E vi algo mais genial neste local, alguém que para fazer manobras com o carro tem a necessidade de apitar involuntariamente, como não quero ser uma máquina de lavar não vou referir aqui que isto deu-se no momento em que a Ana passou para o volante…, longe de mim dizer algo deste género publicamente no meu blog…

Saindo de Mycenae fomos para Náfplio, uma vila igualmente fantástica com uma zona bem diferenciada entre bairro novo e bairro velho, uma vila que começou numa pequena península (bairro velho, ainda bem conservado) e se alastrou com ares mais modernos mais para dentro do Peloponeso. Nesta vila decidimos ir até ao Castelo, a pé, tanta escadaria…, mas valeu a pena pelas fotos tiradas, existe outro castelo no meio do mar numa pequena ilha, pena não termos ido lá 🙁 Chegámos ao topo da colina do Castelo, ao fim de algumas centenas de degraus e estava fechado…, mas nós já sabíamos disso, apenas queríamos ver como era a vista lá de cima, e devo dizer que não me arrependo minimamente disso!

Forte de Náfplio
Forte de Náfplio

Descer as escadas todas…, as pernas a começarem a dizer “nunca faço desporto, agora aguenta-te“, chega lá abaixo…, a Ana salta para o volante mas não consegue conduzir…, não consegue controlar a perna esquerda, logo, não há cá controlo da embreagem para ninguém 😛 Vou eu para o volante, ambas as minhas pernas tremem!!!! Mas lá consegui safar-me a conduzir, ainda bem que não tive de arrancar de emergência, senão estava tramado 😛

Seguimos para Epidaurus, pena que o turismo na Grécia esteja mal gerido pa $#£@&, a vila é a 12 kms do Teatro…, e nós passámos algures pelo Teatro antes de chegarmos à vila…, para ver mais calhaus, seguimos em frente…, vemos mais teatros nos próximos meses cá pela Grécia…, regresso a Atenas, ambos de rastos e corpo a desejar cama…, decidimos vir por uma estrada categorizada como Estrada Panorâmica no nosso guia, valeu a pena mas não tão fenomenal como o dia anterior…, mas devo-vos dizer que estou apaixonado pelo Mar Grego! E ainda nem lhe toquei!

Dois dias que valeram por bastante, deu para rir, deu para ficar deslumbrado vezes sem conta, deu para falar, deu para muita coisa mesmo! A repetir, mas desta vez sem voltar a Atenas 😛 Custa muito ter de levantar cedo para ver as coisas a tempo e horas 😛


Gostou do artigo? Adicione-o ao Pinterest!

Viagem pelo Golfo de Corintos e Golfo de Argos