Passeio a Nimbin e lagos “secretos”

Uma viagem torna-se imensamente mais interessante quando os planos mudam…, pois, aposto que nem todos concordam com isto…, e sinceramente, quando isto me acontece também não acho muita piada, mas depois acabo por adorar. É uma ansiedade parva, planos que mudam?? Como assim? Então e aquilo que eu queria tanto fazer? Pois… A pensar nisto, até já criei uma infografia sobre os prós e cons de organizar uma viagem, e a conclusão a que sempre cheguei quando os planos se alteram, é que há sempre qualquer outra coisa para fazer. É impossível vermos tudo, então, mais vale tentarmos aproveitar ao máximo o que conseguimos!
Passeio a Nimbin e lagos "secretos"

Whirlwind Tour

Esta viagem a Nimbin foi exactamente isso mesmo, uma excursão não planeada. Já me tinham falado de Nimbin em Sydney, e para ser sincero, não tinha mesmo curiosidade nenhuma em lá ir. A reputação é simples, uma vila “hippie” onde o turismo de drogas é bastante forte. Qual o interesse disto? Não sei, talvez para alguns, não para mim. Ainda assim, acabei por ir nesta excursão…, porquê? Porque o resto do plano era exactamente aquilo que eu procurava!

No balcão de turismo do hostel descreveram-me a excursão como uma passagem por algumas cascatas e lagos secretos. Como adoro nadar, e até estava calor (apesar do tufão), pareceu-me um excelente plano alternativo! Pelas 9:30 lá estava eu, no ponto de encontro preparado para o dia de aventura com o grupo do Whirlwind Tours!

Nadar sob uma cascata

O primeiro ponto de paragem foi numa pequena cascata, como a rota é definida como “lagos secretos” fiquei sem saber por onde andava, e a rede móvel não ajudou, senão até marcava no mapa por onde tinha andado. Ao chegarmos à zona da cascata, fomos a um pequeno miradouro para o lago, onde estava um casal a nadar…, completamente nus… Pronto, logo ali deu para perceber que a cascata não é mesmo muito conhecida 🙂 Para chegarmos ao lago tivemos de passar por um trilho, que estava bem escorregadio da chuva, mas valeu bem a pena. Assim que chegámos lá abaixo, deu para ver que a água estava demasiado turva e com mesmo muitas rochas, não faltaram pontapés na pedra… Curiosamente a água nem estava fria, soube mesmo bem! E o duche de queda de água? Que saudades…

Não faltaram fotos, e mais uma vez, fiquei com ainda mais certezas de que comprar a GoPro foi uma decisão acertada! O nosso guia também tirou imensas fotos com a câmara dele, que mais tarde nos deu para juntar ao que cada um de nós já tinha, e claro, a foto de grupo. Em que numa delas…, quase que ficava preso debaixo de água, escorreguei numa das pedras e perdi o enquanto todos estavam a pousar para a foto. Tão bom…, ou não…

Saltos no lago azul turquesa

Dali fomos para outro ponto para nos molharmos ainda mais, um lago artificial com uma água azul como nunca vi! Tanto quanto deu para perceber, aquele “lago” é o que resta de algo como uma exploração de argila (?!), mas juro que nunca vi água tão azul, de uma cor lindíssima! O objectivo daquela paragem foi mesmo saltarmos do meio da falésia, quem quis saltar subiu pela parede com a ajuda de uma corda, o que foi relativamente fácil para os primeiros três ou quatro…, mas conforme a parede ia ficando mais molhada, a argila começava a escorregar ainda mais. Chegado ao ponto de salto, só havia mesmo uma forma para descer… Saltando!

À minha frente foi uma rapariga, que hesitou imenso para saltar, de facto, lá de cima a altura parecia outra…, armado em campeão disse-lhe para ela saltar, sem pensar. Claro que ela hesitou, mas acabou por se sentar e saltou assim. Depois foi a minha vez…, olho para baixo e penso no que disse à coitada da rapariga, e claro, não podia dar parte fraca. Preparei-me para a foto…, e salto com a câmara na mão! Acho que caí mal, o lado direito do rabo ficou-me a doer durante um bom bocado, e a mão do lado esquerdo. Como fiz isso? Não faço ideia…

Saltos no Lago Azul
Saltos no Lago Azul

Acabei por não voltar a saltar, fiquei ali a nadar e a brincar com a câmara, mas houve quem saltasse de ainda mais acima, e aí sim, metia respeito até para quem via de baixo. Nem sequer equacionei subir lá acima… A brincadeira terminou, hora de ir para a carrinha, ao sairmos do lago reparei numa placa com avisos, riscados com grafitis, com avisos que se conseguia ler “perigo” e “saúde“…, felizmente não aconteceu nada, e até acho que valeu bem a pena 🙂

Nimbin

Lojas em Nimbin

Ainda a caminho de Nimbin tivemos de decidir o que seria para o almoço, para quando chegássemos ser só sentar e comer. Gosto deste tipo de planos! Sentar e comer, combinação perfeita! Uns minutos antes de chegarmos fomos avisados pelo nosso guia para se quiséssemos comprar algo ilícito para não consumirmos nem antes da viagem de regresso, nem dentro da carrinha. Segundo parece, ele já teve algumas surpresas desagradáveis…, ainda assim achei estranho aquele pedido. Afinal, mas Nimbin é mesmo como dizem? É…, assim que chegámos, atravessámos por um quintal improvisado onde não faltou oferta…, mas lá continuámos a andar. O nosso guia disse que toda a gente é extremamente simpática, e que não há quaisquer riscos. Pareceu-me seguro, mas no que respeita à simpatia, tivemos uma experiência um pouco mais desagradável…

Assim que comemos, fomos todos dar uma volta pela vila, de facto bem castiça, e toda a gente parece ser bem tranquila. E como turistas, claro que tirámos imensas fotos, a quase tudo… Uma das vezes em que estou a tirar uma foto, alguém se mete no caminho e se senta num banco, como eu já ali estava e queria tirar mesmo uma fotografia daquela perspectiva, tirei a foto na mesma. Assim que começo a andar, começo a ouvir outra pessoa a dizer que eu era extremamente rude por estar a tirar fotos à outra senhora sem permissão. Fiquei um pouco chateado, e com vontade de responder, mas não havia necessidade para tal.

Nimbin é basicamente uma pequena vila no meio do nada, com muita fama no que respeita à venda e consumo de drogas leves, é também essa a maior atracção para alguém visitar a vila. E eles já exploram bem esse conceito, bares, restaurantes e afins com decorações nesse sentido, e várias lojas com avisos de que não vendem drogas. O que é certo, é que são as drogas que geram grande parte do turismo na vila. Para mim, é sim uma vila bem castiça, mas não acho que valha a pena a quantidade de quilómetros para lá chegar, a não ser que seja com uma excursão passando por outros pontos de interesse, como os lagos e cascatas.

Regresso a Byron Bay

Hora de voltar a casa, mas com uma paragem inesperada, pelo menos para mim. Logo à saída de Nimbin está uma fábrica de velas, e fomos ver como é que eles as fazem, vários tipos de velas e formas diferentes de as fazerem. E claro, muitas velas à venda, para todos os gostos, signos e preferencias olfativas. Por acaso até achei aquela fábrica bastante interessante, um misto de artesanal e industrial, uma fábrica familiar. Uma das coisas que achei mais caricato e interessante ao mesmo tempo, é a forma como eles fazem para alisar o fundo das velas – com um ferro de passar a ferro! Simples, e eficaz! E segundo o que nos disseram, o ferro até dura bastante tempo, não se estraga com a cera. Achei a ideia simplesmente genial, e claro, esse pequeno detalhe é o suficiente para mostrar o lado artesanal daquele negócio 🙂

Fábrica de Velas
Fábrica de Velas

Ainda era de dia quando chegámos a Byron Bay, então fui dar um salto à praia, mas apanhei um chuveirada e lá tive de voltar para o hostel, e a caminho fui comprar alguma coisa para fazer para o jantar. Quando estou a pagar, reparo no empregado a olhar para a câmara…, alguém a roubar dentro da loja, a meter coisas nos bolsos e na mala! Ah! Apanhada pelas câmaras! Não fiquei para ver o que aconteceu depois, não me apetecia ser envolvido no assunto, e voltei para o hostel.

Comida, umas cervejinhas e depois cama, que no dia seguinte tinha de me meter à estrada novamente! Até que…, alarme às 4 da manhã… Tudo para a rua, e enquanto esperávamos pelos bombeiros, começa a cair uma chuva miúda… Era falso alarme, os empregados do hostel avisaram logo, mas os bombeiros tinham de cumprir com o protocolo. Ficou tudo excitado, e depois para adormecer demorou ainda um bocado, com um barulho nos corredores. Mas depois de um dia fantástico, acho que um alarme não me chateou assim tanto 🙂

Gil Sousa

Português emigrado em Cork, viajante e apreciador de boa comida.

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: