Uma passagem por Noosa a caminho do paraíso

Confusões em Noosa ainda antes de chegar

(Não) planear uma viagem tem destas coisas, acabamos por visitar locais sem sabermos bem ao que vamos e depois temos surpresas agradáveis. Noosa foi mais uma destas boas surpresas, era suposto ser local de passagem e acabou por ser um local que recomendo vivamente. E em parte, até me arrependo de não ter aproveitado por mais tempo…

Ainda antes de chegar, já tinha histórias em Noosa…, ora, quando reservei a viagem à ilha de Fraser, apenas fi-lo para passa uma noite, e em Noosa teria de ficar duas noites antes de ir para Fraser. No entanto, o hostel onde iria ficar, NOMADS Noosa, estava cheio e só tinha mesmo a noite antes da viagem para Fraser garantida. Tive então de reservar uma noite num outro hostel, também na vila…

Já isto, se não era confusão que bastasse, ainda decidi complicar um pouco mais. No decorrer da viagem apercebi-me que afinal, até podia embarcar numa aventura mais longa em Fraser (melhor coisa que fiz), e pedi para me alterarem a reserva para uma noite extra… Ora bem, então isto claro que foi complicar ainda mais as coisas, e com isto iria para Fraser uma noite antes. Como o cupão para a excursão inclui uma noite no NOMADS Noosa, então passei a ter dois hosteis reservados para a mesma noite… Quando tive a confirmação já era tarde demais, e acabei por pagar por uma noite num hostel que nem cheguei a visitar…

Chegada a Noosa

Quem pensa que a Austrália é sinónimo de sol o ano todo, está bem enganado… Já tinha sentido os efeitos do clima tropical a caminho de Brisbane, e desta vez foi bem pior. Chuva torrencial assim que cheguei à vila, mas com calor…, tive de me abrigar por debaixo de telheiros até quase ao hostel, e depois a grande molha para atravessar uma rua mais movimentada e sem nenhum sitio onde me abrigar. Uns minutos depois, e estava enxuto! Climas tropicais têm destas coisas, calor e chuva intensa…

Uma passagem por Noosa a caminho do paraíso
Uma passagem por Noosa a caminho do paraíso

As trapalhadas de Noosa não ficaram pelas confusões de que falei antes, ao tentar fazer o check-in fiquei a saber que afinal… não podia fazer check-in sem o cupão da excursão… Yep, aquele cupão que não tinha pois a minha viagem foi mudada! Depois de tentarmos contactar a pessoa que fez a marcação, e eles procurarem pela minha reserva, lá encontraram uma reserva para um tal de “Jill Fousa”… Isto de ter nomes estranhos para os anglofónicos…

Depois de tudo tratar, e deixar as coisas no quarto (de 15 pessoas!!), lá fui almoçar a um restaurante bem baratinho mesmo ao lado do NOMADS. E não fui sozinho, voltei a encontrar-me com o Ben, o canadiano que já tinha encontrado na Gold Coast e em Brisbane. Mais uma vez se confirma, a rota da costa Este da Austrália é tão popular que muitos fazem as mesmas paragens e têm ritmos de viagem bem semelhantes. Quando me disseram isto pensei ser exagero, mas não é…

Durante o resto da tarde só choveu, mas muito. Não deu para muito, mas deu para conhecer mais umas quantas pessoas do hostel e jogar snooker com um casal que também lá estava a ficar, no dia seguinte vim a saber que iam passar os próximos três dias comigo na ilha de Fraser.

Visto que tinha de me levantar bem cedo, acabei por ir para a cama cedo também. Nem me afastei muito do hostel para conhecer a vila, ficou para o regresso.

Depois de Fraser, de regresso a Noosa

Fraser foi tão fantástico e com tanto para falar, que irei escrever um artigo apenas para esses três dias. Entretanto, voltámos para Noosa e fui tentar aproveitar um pouco mais da zona. Ao chegar tive de fazer check-out e voltar a fazer check-in, pois uma noite com 15 pessoas chega e basta…, pedi para ficar num quarto com menos gente, e felizmente havia uma vaga. Pena, que não pude fazer check-in logo de seguida, tive de esperar até as camas estarem prontas. Enquanto isto, fui até à praia!

Não sou muito menino de praias, gosto de relaxar um pouco, mas se há coisa que me estressa é não ter nada para fazer. Se vou à praia, tenho de levar um livro, ou ir com amigos (e eu sou aquele que nunca se cala), ou então meto-me a fazer caminhadas ou corridas. Não dá para ficar quieto.

E dito isto…, lá voltei para o hostel, para descobrir que já tinha chegado tarde demais…, já só havia uma cama livre, em cima do beliche (coisa que detesto) e mesmo por debaixo do ar condicionado… Maravilha…. Enfim, devia ter esperado. Voltei para a praia!

Mas tal como disse antes, não consigo estar quieto, então resolvi ir dar uma volta pela zona do Parque Nacional e fazer uma caminhada até ao outro lado do cabo. E reclamar imenso, mas imenso mesmo…, de não ter levado a câmara comigo… Pelo caminho encontrei muitas caras familiares, pelos vistos mais gente teve a mesma ideia, muitos dos que estiveram comigo em Fraser foram dar a mesma volta, a cada 5-10 minutos lá me cruzava com mais outro.

Dia longo, cansado mas ainda com vontade de socializar. Depois da excelente caminhada, e recomendo vivamente uma volta pelo Parque Nacional, voltei para o hostel para jantar e depois jogar às cartas com o pessoal, e com o Ben (canadiano) que tinha voltado de uma outra excursão. Enquanto jogávamos e íamos bebendo uns copos, deu vontade de voltarmos à praia, e sim, já era de noite. Pelas 11 voltámos a fazer aquela caminhada toda até à praia, e ficámos lá um bom bocado a socializar e a beber alguns copos.

Pelas 2 da manhã lá voltámos, e foi aí que vi que o mundo é mesmo pequeno! Não um, mas dois tugas! E eles nem se conheciam! Um deles, que vive na Austrália há uns bons anos, meteu conversa com uma amiga minha mexicana, e foi ela que me disse que ele é Português! Enquanto falámos em português, eu bem surpreendido, passa outro tuga e grita “Olha, portugueses!!!”, ainda nos cumprimentou, mas depois seguiu viagem. Durante os dois meses que estive na Austrália, além do meu amigo em Sydney, não encontrei mais nenhum tuga!

Em suma, Noosa foi uma experiência muito boa, lamento imenso não ter aproveitado mais tempo naquela vila fabulosa, que só por si merecia uns 3 dias para explorar. Fica para uma outra vida!

Onde fica Noosa?

Gil Sousa

Português emigrado em Cork, viajante e apreciador de boa comida.

15 thoughts on “Uma passagem por Noosa a caminho do paraíso

  • Fevereiro 12, 2017 at 12:36 am
    Permalink

    Não há hipótese. Não há cantinho nesta terra que não encontremos um tuga! Parece que a viagem foi mesmo muito atribulada. Mas a ver pela imagem, o local parece ser lindo e valeu a pena as confusões, não é? ?

  • Fevereiro 12, 2017 at 12:49 am
    Permalink

    Gil, essas surpresas agradáveis que ocorrem em viagens não muito planejadas tornam-se grandes histórias – assim como a sua em Noosa. Obrigado por compartilhar suas histórias. Um abraço.

  • Fevereiro 12, 2017 at 1:18 am
    Permalink

    Que lugar interessante! E que pena você ter que pagar 2 hostels, mas tenho certeza que valeu a pena, afinal de contas foi por uma boa causa! 😉

  • Fevereiro 12, 2017 at 2:02 am
    Permalink

    Olá! Que paraíso, realmente! E às vezes é mesmo bom não programar nada e temos boas surpresas. Quanto aos tugas… existe algum sítio no mundo onde não estejam portugueses?? Claro que não! Estamos em todo o lado! Ehehehe! Boas viagens!

  • Fevereiro 12, 2017 at 8:08 am
    Permalink

    Nossa! Apesar das confusões e desencontros, no final deu tudo certo e anda deu gostinho de quero mais! A australia é magnífica e tem muitos lugares para serem explorados! Boa dica!

  • Fevereiro 12, 2017 at 11:06 am
    Permalink

    Ahah, verdade! Mas naqueles dois meses de viagem, foi mesmo o único sitio onde encontrei tugas! Com excepção para Sydney, mas aí já os conhecia 🙂

  • Fevereiro 12, 2017 at 11:07 am
    Permalink

    Obrigado 🙂 Sim, eu gosto de dar espaço para a surpresa, mas por vezes não acontece nada 😛 Desta vez foi bastante bom 🙂

  • Fevereiro 12, 2017 at 11:08 am
    Permalink

    Sim, valeu a pena 🙂 Mais que não seja pelos novos amigos que conheci, um grupo de pessoas 5 estrelas!

  • Fevereiro 12, 2017 at 11:08 am
    Permalink

    Ahah, sim, levanta-se uma pedra e encontra-se um tuga 😛 Eu gosto imenso de dar espaço para a aventura, mas acho que ando a arriscar demasiado 😛

  • Fevereiro 12, 2017 at 11:09 am
    Permalink

    Obrigado 🙂 A Austrália é mesmo muito bonita, apenas lá estive dois meses e não consigo deixar de pensar em lá voltar…

  • Fevereiro 12, 2017 at 5:00 pm
    Permalink

    Então Jilll (rsrsrsrs)…. teu relato me fez lembrar de alguns momentos de minha vida!
    Colonia do Sacramento, no Uruguai (“entre” Buenos Aires e Montevidéu), é um destino que muita gente faz apenas um bate e volta e eu fui sem reserva e sem data fixa. Olhamos a cidade e achamos que seria uma pena ficar apenas 1 noite e acabamos ficando 3!
    Tem locais que são assim mesmo!
    Nossa sorte é que là tínhamos reserva para os 3 dias!
    😉

  • Fevereiro 12, 2017 at 6:44 pm
    Permalink

    Noosa * quantos acontecimentos numa viagem … às vezes acontece disso … mas em compensação o lugar parecia maravilhoso ! Ainda não conheço a Australia e nem tinha ouvido falar em Noosa. 😉

  • Fevereiro 13, 2017 at 12:19 am
    Permalink

    Isso mesmo, sem pesquisar muito as surpresas aparecem – as boas e as não tão boas. Às vezes sinto que blogs de viagem tiram um pouco esse gostinho da surpresa e se tornam verdadeiros spoilers. Por outro lado, com eles conseguimos aproveitar muito mais o que cada lugar tem a oferecer. É um preço justo para se pagar, na minha opinião.

  • Fevereiro 15, 2017 at 5:30 pm
    Permalink

    Lala um nome como esse “Noosa” é bem propício para uma viagem cheia de histórias e confusões hehe

  • Fevereiro 18, 2017 at 3:23 pm
    Permalink

    Ah… que pena que teve tanto problema num lugar to lindo, mas pelo menos conseguiu aproveitar um pokin.

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: