Algures pelo meio da Bósnia e Herzegovina

A etapa fácil da viagem estava concluída, a aventura sozinho começava ao embarcar naquele autocarro em Zagreb com destino a Mostar. Para ser sincero, nada de complicado, afinal de contas tinha quase tudo reservado antes de sequer começar a viagem, mas ainda assim, existe aquela pequena ansiedade de estar a viajar sozinho por um país que há 20 anos estava em guerra.

Logo bem cedo fomos para o terminal de autocarros, que além de ser bem grande, também não tem informação absolutamente nenhuma sobre as plataformas de embarque. Portanto, a sugestão que dou é irem com bastante antecedência e tentarem descobrir qual o autocarro a apanhar. De facto, bem mais fácil quando temos alguém local a nos orientar… Tinha alternativa para viajar durante a noite, mas decidi fazer a viagem com mais paragens e durante o dia para cruzar grande parte do país, sentir um pouco do que é a Bósnia e Herzegovina fora das zonas de turismo, o que foi um impacto bem maior do que esperava. Logo ao cruzar a fronteira dá para sentir uma grande influência soviética, com uma mistura islâmica – esta foi a minha primeira surpresa, não fazia mesmo ideia de que a Bósnia é um país com uma comunidade islâmica tão grande. A quantidade de minaretes ao longo da viagem é surpreendente, até em zonas onde nem se vêem mais casas.

Todo o percurso que fiz é bem rural, pequenas vilas pelo caminho mas sempre pelo meio dos montes, literalmente. Algumas vilas mais turísticas, dava para perceber pelos grupos de pessoas que saíam, a fotografia abaixo é um exemplo de uma dessas vilas onde vários jovens desceram.

Bihac Waterfalls
Cataratas de Bihác

As leis de Murphy aplicaram-se bastante bem no lugar escolhido no autocarro, recomendo vivamente a sentarem-se num lugar à janela do lado esquerdo, ou então irão ver muita parede como eu vi… Ainda assim, deu para algumas vistas engraçadas, como o caso das cataratas em que tive a sorte do autocarro passar duas vezes pela mesma ponte e aí dar para tirar a fotografia acima (ainda que um pouco desfocada).

A sul, mais perto de Mostar, passámos por um vale (que pelo que encontrei no Google, deve ser Buško Jezero) bem bonito, adorei aquela zona que até era capaz de ter saltado por um dia ali…, mas não o fiz. A viagem toda valeu bem a pena, a decisão de ir de dia foi bem acertada, mas também bem cansativa. O impacto cultural foi bem maior do que esperava, e algo assustador de ver ainda tantos vestigios da guerra. Passámos por algumas zonas com campos minados, vários avisos de perigo de morte, principalmente em encostas de montanhas (talvez por o acesso ser mais complicado e mais difícil para limpar). Assusta um pouco passar ali, uma zona tão bonita e tão perigosa, a Bósnia foi a zona que sofreu mais com a guerra e dos países por onde passei, da ex-Jugoslávia, que me pareceu menos desenvolvido. Cruzar o país de autocarro foi uma experiência que valeu bem a pena, cheguei cansado, mas fiquei com uma perspectiva do país que de outra forma não iria sentir.

Como chegar a Mostar vindo de Zagreb

Como referi num outro artigo, tratei de reservar o que precisava de reservar com alguma antecedência, o transporte foi uma dessas coisas. Como é uma viagem entre dois países, nem sempre existem rotas directas, mas sendo Mostar um destino tão turístico foi bastante fácil encontrar uma rota a partir de Zagreb. Foi a primeira vez que usei a aplicação Rome2rio, que me deu a opção da rota que acabei por escolher, pela CroatiaBus.

Outra sugestão que dou é usarem o Balkan Railway Pass, para viajarem nos Balcãs de comboio, tem a desvantagem de não chegarem a alguns locais fantásticos, mas é uma alternativa que considerei seriamente pois é uma forma mais cómoda de viajar, e que passa por paisagens épicas que de outra forma não iria ser possível de ver.

Por outras palavras, têm uma opção directa e cansativa, como a que eu fiz, ou uma alternativa mais cómoda mas também mais longa, e que talvez sirva como uma excelente desculpa para visitarem Sarajevo.


Gostou do artigo? Adicione-o ao Pinterest!

Algures pelo meio da Bósnia e Herzegovina

GuardarGuardarGuardarGuardar

Gil Sousa

Português emigrado em Cork, viajante e apreciador de boa comida.

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: